Há algo mais atrás das aparências?

O atleta Michael tem ocupado espaço enorme na imprensa. Michael é jogador de vôlei, do clube Vôlei Futuro, e, numa partida contra o Cruzeiro, foi ostensivamente ofendido por torcedores que se referiam de modo agressivo às suas preferências sexuais.

Ugo Giorgetti, O Estado de S.Paulo

17 de abril de 2011 | 00h00

Vôlei não é futebol. Os torcedores estão muito perto da quadra, um ginásio, por sua vez, faz o som reverberar e, concordo, a experiência para o jogador deve ter sido das mais traumáticas.

O jogador, porém, na única e repetida entrevista que vi pela televisão, se mostrou surpreendentemente sereno, declarando que está acostumado a manifestações grosseiras, mas que essa, pelo número de torcedores que gritavam ofensas, o assustou. Não falou, que eu tenha ouvido, nada mais contra o Cruzeiro nem contra seus dirigentes. Ele, o único, a meu ver, que tinha inteiro direito não disse, no momento da entrevista pelo menos, que pretendia entrar com qualquer ação contra o adversário. Seu time, no entanto não pensou assim e imediatamente entrou com pedido de punição ao Cruzeiro. O caso foi gradualmente se deslocando do jogador Michael para passar para a esfera dos clubes. Os dois clubes começaram uma batalha que, em resumo, era o Vôlei Futuro atacando e o Cruzeiro se defendendo como podia.

Houve um segundo jogo no ginásio do Vôlei Futuro e Michael foi alvo de todas as manifestações de carinho por parte de sua torcida. Nada mais justo. Logo depois o Cruzeiro foi o punido com uma multa de R$ 50 mil, sendo, portanto, considerado responsável pela atitude de seus torcedores.

Bem, tudo parecia mais ou menos resolvido, não fosse a inconformidade do Vôlei Futuro com a decisão. E aí o caso dá mais uma volta, ganhando ainda outro aspecto. Em nota oficial, o Vôlei Futuro reclamou do fato que o Cruzeiro não perdeu o mando de quadra. Queria mudar o lugar da partida final para uma quadra neutra e não jogar "naquele lugar, com aquelas mesmas pessoas, com a organização exercida pelo mesmo clube". Essa declaração me parece embute a ideia de que não só o mando de jogo deveria ser tirado do Cruzeiro, mas que uma intervenção, talvez da Federação, deveria ocorrer, afastando da partida não só a diretoria do Cruzeiro como também sua torcida.

A lógica indica, porém, que, ao contrário, o Vôlei Futuro, vai ter as melhores condições exatamente na quadra o Cruzeiro. Quem seria o cruzeirense alucinado a ponto de repetir atitudes que já prejudicaram o clube e poderiam dessa vez prejudicá-lo de maneira definitiva? Será que a diretoria do Cruzeiro não se acautelou para evitar qualquer atitude intempestiva da torcida? Não sei se erro, mas tendo a achar que os fatos vão obrigar a torcida do Cruzeiro a se comportar de forma exemplar e, portanto, o seu ginásio será o lugar mais confortável para o Vôlei Futuro se exibir.

Se isso é verdade não é impossível chegar à conclusão de que o que esteve sempre em causa não eram exatamente valores e princípios, mas algo muito mais nosso conhecido, ou seja: a tentativa de desestabilizar o adversário para ganhar a partida. Toda essa exigência de punição rigorosa, toda essa demonstração de indignação pela liberdade sexual injuriada, é possível que não passasse de simples tática, às vésperas de uma partida decisiva. Se for assim, isso também não deixa de ser mais uma forma de desrespeito ao Michael.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.