Hamilton surpreende e vai para a Mercedes

Equipe alemã dispensa Schumacher para ter o inglês, da McLaren, que age rápido e contrata Sergio Perez, da Sauber

LIVIO ORICCHIO, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2012 | 03h05

O campeonato em curso é um dos mais espetaculares da história, com sete vencedores distintos nas 14 etapas já disputadas e um final que promete ser, da mesma forma, emocionante. Mas a confirmação surpreendente, ontem, da transferência de Lewis Hamilton da McLaren para a Mercedes, e de Sergio Perez da Sauber para a McLaren, lança desde já enorme expectativa sobre a próxima temporada. E a FIA confirmou, ontem, o calendário de 2013. A abertura de um dos mundiais mais aguardados dos últimos anos vai começar dia 17 de março, na Austrália.

Os anúncios de ontem deixam no ar uma questão instigante: para onde vai Michael Schumacher, aos 43 anos? O maior campeão de todos os tempos, com sete títulos na Fórmula 1, simplesmente acabou dispensado pela Mercedes depois dos três anos de participação recente na competição que em nada lembram seu passado de conquistas épicas. Como consolação, ofereceram-lhe um cargo de diretor na montadora. Sua empresária, Sabine Khen, conversa, agora, com Peter Sauber, para ocupar a vaga deixada por Perez. Resta saber se pagaria o salário de 20 milhões (R$ 52 milhões).

"É hora de enfrentar um novo desafio", afirmou Hamilton, de 27 anos, campeão do mundo de 2008, um reforço de peso para a Mercedes. Desde 1998, quando tinha 13 anos, a carreira desse inglês de Stevenage é bancada e administrada pela McLaren. Os 60 milhões de libras (R$ 175 milhões) que vai ganhar por três anos de contrato com a Mercedes, mais liberdade para contratos de publicidade pessoais, certamente pesaram na balança para decidir pela mudança.

Mas parece haver nisso tudo também uma espécie de mensagem a Ron Dennis, sócio da McLaren, com quem não se relacionava bem nos últimos tempos, em especial por ele desejar lhe pagar menos do que ganha hoje: "Posso sobreviver muito bem sem a McLaren". Gratidão não é mesmo a palavra de ordem de Hamilton. Sem o investimento de alto risco de Dennis por dois anos na Fórmula Renault, um na Fórmula 3 e um na GP2 Hamilton não estaria na Fórmula 1.

Na briga. Curiosamente, Hamilton pode ainda ser campeão, este ano, pela McLaren. "Vou concentrar todos os meus esforços, agora, no campeonato", disse o piloto. Ocupa a quarta colocação no Mundial, com 142 pontos, diante de 194 de Fernando Alonso, da Ferrari, líder. Martin Whitmarsh, diretor da McLaren, disse ter esgotado todas as possibilidades de negociação com Hamilton. Os ingleses dizem que o novo empresário do piloto teve grande importância na sua transferência. A carreira de Hamilton é administrada por Simon Fuller, da XIX Entertainment. Hamilton reeditará com Nico Rosberg a dupla de pilotos da equipe Team MBM na Fórmula A do kart, em 2000, e terá de trabalhar muito mesmo para fazer da Mercedes uma escuderia vencedora como a McLaren.

Talvez o maior responsável por convencer a direção da Mercedes a investir elevada soma em Hamilton seja Ross Brawn, o diretor técnico. "A chegada de Lewis é uma prova do comprometimento da Mercedes com a Fórmula 1", afirmou o engenheiro inglês. Parte da imprensa alemã publicou há pouco tempo que a direção da montadora questionava a validade de manter o projeto de escuderia própria na F-1. "Estou orgulho por Lewis compartilhar conosco a mesma visão e ambição de fazer sucesso com os flechas de prata."

Valorização. Nico Rosberg, em entrevista ao Estado, declarou ter se valorizado ao superar regularmente Schumacher nas sessões de classificação e na pontuação do campeonato. "Sinto que as pessoas me respeitam mais", disse. Pois agora o seu companheiro será o piloto que o vencia no kart com a mesma regularidade que deixa Schumacher para trás na F-1.

Perez falou sobre a troca da Sauber pela McLaren: "Cresci ouvindo as histórias das vitórias de Ayrton Senna na McLaren. "Sinto-me pronto para esse grande salto na carreira."

Este ano o mexicano de 22 anos subiu três vezes no pódio, com a Sauber, time de poucos recursos se comparado à McLaren, Mercedes, Ferrari e Red Bull. Martin Withmarsh, diretor da McLaren, comentou a contratação: "Perez encontra-se no estágio ideal para se desenvolver e tornar-se um piloto capaz de lutar pelo título". O mexicano será o companheiro de Jenson Button em 2013.

O que Dennis e Whitmarsh esperam de Perez é ter menos problemas do que com Hamilton. Mas ambos não sabem que o piloto da Sauber não é dos mais fáceis de se conviver.

Massa. Os nove primeiros colocados no campeonato têm já contrato assinado para 2013. O décimo, Felipe Massa, ainda não. As definições de ontem tendem a ser favoráveis a Massa, que espera a resposta da Ferrari. Dentre os demais pilotos com capacidade técnica para assumir uma equipe como a Ferrari há apenas a dupla da Force India, Paul Di Resta e Nico Hulkenberg, em essência os adversários do piloto brasileiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.