Mohammed Dabbous/Reuters
Mohammed Dabbous/Reuters

Handebol brasileiro já foca na Espanha e ainda acredita nas oitavas

Equipe do técnico Jordi Ribera busca a recuperação na segunda partida partida do Mundial para manter vivo o sonho de classificação

Vítor Marques - Enviado especial a Lusail, O Estado de S. Paulo

16 de janeiro de 2015 | 07h32

A derrota para o Catar na estreia do Mundial de Handebol Masculino, na quinta-feira, tornou a classificação do Brasil às oitavas de final um pouco mais complicada. A meta do time nacional era terminar a primeira fase em terceiro lugar do grupo A para evitar um possível confronto contra a Croácia, forte equipe europeia que deve terminar em primeiro no Grupo A.

Para se recuperar do resultado ruim na abertura do Mundial, a seleção brasileira terá se superar. A começar pelo jogo deste sábado contra a Espanha, atual campeã do mundo. "Precisamos entrar no jogo concentrados, com garra e energia, e buscar o melhor resultado possível", afirmou o goleiro Carlos de Almeida, o Bombom.

Em tese, o Catar e o Chile eram os rivais que o Brasil tinha boas chances de vencer nesta primeira fase - os outros times são, além da Espanha, a Bielo-Rússia e a Eslovênia. Quatro das seis das seleções avançam às oitavas de final.

"Sabíamos que o primeiro jogo era importante porque era contra um rival que tinha os mesmos objetivos", afirmou o técnico do Brasil, o espanhol Jordi Ribera. "Teremos um próximo jogo complicado, mas o que aconteceu contra o Catar é passado. Temos de evitar cometer os mesmos erros, como o que cometemos no início do jogo de hoje (quinta)".

O objetivo do Brasil no Mundial era não só passar da primeira fase como chegar ao menos às quartas de final, superando a classificação obtida no Mundial da Espanha, em 2013, quando terminou em 13.º lugar.

*O repórter viajou ao Mundial a convite da Federação Internacional de Handebol.

Tudo o que sabemos sobre:
handebolMundialBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.