Handebol sonha com técnico estrangeiro

Washington Nunes foi o escolhido para substituir Alberto Rigolo como técnico da Seleção Brasileira de Handebol. Mas sabe que deve ficar pouco tempo no cargo. Até março, a idéia da Confederação Brasileira é trazer um treinador estrangeiro - possivelmente espanhol. "Tenho humildade suficiente para saber o quanto um técnico europeu pode colaborar para o crescimento do handebol brasileiro. Será importante ter alguém com conhecimento da técnica da escola européia.Devo permanecer como assistente depois disso", diz Washington, que também dirige o time do Imes/São Caetano. O objetivo do treinador é fazer a Seleção dar um grande salto neste Mundial da Tunísia. "Nossa preparação não foi ideal, mas adequada. O objetivo é fazer o grupo chegar entre os 12 primeiros colocados. Para 2008, é ficarmos entre os cinco primeiros na Olimpíada. Para isso, é necessário dar seqüência no trabalho."Estréia - A estréia dos brasileiros no Mundial será no dia 23, diante da Noruega, pelo Grupo D, que ainda tem Catar, Egito e Alemanha. Antes, porém, o Brasil pára na França e Dinamarca para dois torneios amistosos.Já no sábado, na cidade francesa de Ivry, a Seleção de Washington enfrenta os donos da casa. A competição amistosa terá ainda Dinamarca, Grécia e Sérvia e Montenegro.O grande desfalque neste Mundial será o armador esquerdo Bruno Souza, eleito o terceiro melhor jogador do mundo em 2004, que tem compromissos com seu clube, o Frisch-Auf-Goppingen da Alemanha, e não poderá jogar na Tunísia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.