Handebol: veterana busca vaga na seleção

Os novos talentos da Seleção Brasileira Feminina de Handebol que sonham com uma vaga nos Jogos Olímpicos de Atenas, em agosto, terão um obstáculo a mais na briga por uma das 15 vagas em jogo: a armadora Zezé, de 34 anos, está de volta à equipe depois de um ano de ausência.A veterana, que integrou a Seleção por 18 anos, avisa: "Minha disposição é a mesma de quando fui convocada pela primeira vez." Zezé teve problemas pessoais ano passado, que interferiram no seu desempenho em quadra. Por conta disso, ficou fora do Mundial da Croácia e dos Jogos Pan-Americanos de São Domingos. "Foi um processo de doença do meu pai, que acabou falecendo. Foi difícil porque ele estava comigo desde que comecei a jogar, com nove anos. Mas nunca perdi a vontade de estar na Seleção. Quando fui convocada para o grupo, me senti uma menina de novo, como quando recebi a primeira convocação." Mas a caminhada até Atenas será dura: são 29 atletas brigando por 15 vagas. Na mesma posição de Zezé estão Millene, artilheira do Mundial Júnior do ano passado. A atleta de 21 anos declara: "Quando eu era pequena, via a Zezé jogar e ficava pensando em como ela era boa. Hoje, disputo vaga com ela. É uma sensação gratificante, mas estranha. Na quadra, não me importo se a adversária é a Zezé ou uma menina mais nova, que não tem muita experiência." Outro grande nome da nova geração é Tayra, de 21 anos, também armadora. "A Zezé é um diferencial no time, é uma pessoa experiente e madura. Mas se ela tem suas qualidades, eu tenho as minhas. Que vá à Atenas a melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.