Hayden sofre queda e pode ficar fora de teste na MotoGP

O norte-americano Nicky Hayden fraturou a escápula esquerda de seu tórax e quebrou duas costelas em um acidente sofrido durante um treino privado realizado em Owensboro, cidade que fica no estado de Kentucky, nos Estados Unidos. As lesões sofridas na atividade, ocorrida em local próximo à residência do piloto, colocaram em dúvida a participação do corredor no primeiro teste da MotoGP de 2012, marcado para o dia 31 de janeiro, em Sepang, na Malásia.

AE, Agência Estado

29 de dezembro de 2011 | 18h15

O problema com Hayden foi revelado nesta quinta-feira pela Ducati, equipe do piloto, que estava guiando uma moto pela primeira vez desde que quebrou o osso escafoide do seu ombro no GP de Valência, no dia 6 de novembro, na Espanha.

A escuderia informou que ainda não existem planos para a realização de uma cirurgia, mas a evolução da fratura na escápula do norte-americano será reavaliada na próxima semana, nos Estados Unidos. De acordo com a equipe, as primeiras semanas de 2012 definirão se ele poderá participar do teste agendado para ocorrer na Malásia.

"Obviamente, lesões nunca são boas, mas fazem parte das corridas de moto. Assim como em Valência, foi um tipo estranho de acidente. Estava começando a treinar novamente, como normalmente faço no inverno, em uma pista privada, perto de minha casa", lamentou Hayden, antes de explicar como foi a sua queda. "Eu estava atrás de outro piloto e ele saiu do meu caminho. Eu não estava tão rápido, mas ele acertou minha roda dianteira e eu caí em cima de meu ombro esquerdo. Foi isso", acrescentou.

E Hayden não escondeu a sua tristeza por fechar o ano com um novo acidente. "É decepcionante, mas não há nada que posso fazer a não ser me curar rapidamente. De qualquer forma, isso não muda minhas expectativas para 2012, o que, felizmente, está muito próximo", enfatizou.

Tudo o que sabemos sobre:
MotoGPNicky Hayden

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.