Henrique Rodrigues sonha com pódio em Barcelona

Curitibano é o terceiro colocado do ranking da temporada dos 200m medley, à frente de Thiago Pereira

ALESSANDRO LUCCHETTI, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2013 | 02h08

são paulo - Quem acompanha natação sabe que o Brasil não precisa viver só da torcida por Thiago Pereira nas provas de medley. No Mundial Júnior do México, em 2007, o curitibano Henrique Rodrigues apresentou seu cartão de visitas: ficou em quarto lugar nos 200m medley e conseguiu a medalha de bronze no revezamento 4 x 100m livre.

Depois de alcançar a semifinal dos Jogos Olímpicos de Londres, Henrique continuou evoluindo e, neste ano, melhorou em quase um segundo sua melhor marca, o que faz dele o terceiro colocado do ranking mundial de 2013, atrás apenas do campeão olímpico Ryan Lochte e do japonês Kosuke Hagino, bronze em Londres. Com a marca de 1min57s37, o paranaense está à frente de Thiago, o quarto, com 1min57s48.

"A este meu quarto Mundial, sendo o terceiro em piscina longa, vou sonhando com uma medalha. A expectativa se torna cada vez mais realidade."

Não foi nada fácil para Henrique atingir esse patamar. O nadador nunca se acomodou em uma situação confortável - pelo contrário, foi bastante irrequieto. Nos últimos anos, passou por Minas Tênis Clube, Pinheiros, Flamengo, Fluminense e voltou ao Pinheiros, que deixara em 2011 para se integrar ao projeto de Cielo, o PRO 16.

"Eu saí do Pinheiros porque o Albertinho (Alberto Pinto da Silva, um dos principais treinadores do país) foi para o PRO 16, mas meu treinamento não encaixou lá. Eu me arrependi de deixar o Pinheiros e voltei. Agora me acertei e estou fazendo um treinamento psicológico que faz grande diferença."

Sob a batuta de André Ferreira, o Amendoim (ou Amen, como vem sendo chamado), Henrique tem obtido os melhores resultados de sua carreira.

O trabalho mental se baseia na ioga. "Estou fazendo mentalização e relaxamento, preparando a cabeça para competir."

"Henrique é um atleta de muita qualidade. Estamos podendo trabalhar sua técnica e sua força porque ele se livrou de duas lesões que o prejudicavam. O trabalho mental é uma iniciativa dele. E noto que está apresentando uma atitude muito positiva. Está muito bem mentalmente", afirma Amendoim.

A ênfase técnica foi direcionada para o miolo da prova (costas e peito) porque ele sempre teve mais facilidade nos nados borboleta e crawl.

Os resultados desse investimento foram vistos no Maria Lenk: numa batalha braçada a braçada com Thiago, Henrique levou a melhor, o que o credencia a voos mais altos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.