Hora de mostrar força de campeão

Corinthians visita Cruzeiro atrás do primeiro triunfo fora de casa

Fábio Hecico, O Estadao de S.Paulo

19 de julho de 2009 | 00h00

No Pacaembu, um gigante. Fora de casa, presa fácil. Assim tem sido o Corinthians neste Campeonato Brasileiro. O time confia em somar seu primeiro triunfo em solo inimigo nesta tarde, às 16 horas, no Mineirão, diante do cabisbaixo Cruzeiro, ainda tentando se recuperar da perda do título da Taça Libertadores, quarta-feira, em casa."O Brasileiro está aí, temos de encará-lo com disposição", observa o volante Cristian, pedindo seriedade e respeito ao time mineiro, mesmo ciente de que os rivais vão entrar com o moral abalado. "Eles têm um grande time, o Kléber e o Wagner são pontos fortes deles", comenta. Fã confesso do atacante, Cristian até brinca. "Espero que ele fique em lua de mel até segunda-feira (amanhã)", diz. O atacante se casou na sexta-feira, mas pediu para ser escalado, pois quer duelar com o Fenômeno Ronaldo.O camisa 9, por sinal, ainda não balançou as redes longe de São Paulo. Tentará no quintal onde nasceu (virou profissional no Cruzeiro). A missão de servir o artilheiro do time na competição, com cinco gols, caberá ao meia Morais, substituto de Douglas, suspenso, e de Elias, que deve ser deslocado um pouco mais para a frente, substituindo Dentinho, também fora por causa do terceiro amarelo. Alessandro fica fora, com dores musculares, e dá lugar Diogo. Jucilei e Cristian devem ser os volantes de Mano Menezes.Desfalques importantes para o Corinthians, que ronda os primeiros colocados, mas ainda não conseguiu ameaçá-los. Com 17 pontos, ainda não entrou nenhuma vez no G4. O máximo que conseguiu foi atingir o quinto lugar. Para entrar de vez na briga pela tríplice coroa, passará por testes difíceis nas próximas rodadas. Começa hoje, diante do forte Cruzeiro e depois encara Vitória e Palmeiras, adversários que estão à sua frente no Brasileiro.A confiança corintiana em brilhar fora de casa, contudo, passa longe de explorar a tristeza cruzeirense. Pelo menos nas palavras de Mano Menezes, que viveu situação semelhante em 2007, quando dirigia o Grêmio. "Não podemos esperar um Cruzeiro arrasado", enfatiza. "Eu me lembro que quando perdi a Libertadores com o Grêmio, no domingo tínhamos um joguinho fácil: Gre-Nal, no Beira-Rio. Todo mundo esperava um Grêmio arrasado, sem seis jogadores titulares, mas ganhamos."Não precisava ir tão longe. Dias atrás encarou um Grêmio ainda lamentando eliminação da competição intercontinental e levou surra de 3 a 0 no Olímpico. Uma boa vitória para superar, um pouco, o trauma da perda do título da Libertadores é a meta do Cruzeiro, entre os últimos colocados no Nacional. "São 28 jogos. Vamos jogar todos como se fossem decisões", prega o técnico Adilson Batista.LEÃO ATACA MANOO técnico do Sport criticou o corintiano, ontem, à Jovem Pan. Os dois trocaram farpas após o confronto de quinta-feira. "O Mano me parece íntegro, mas talvez esteja iludido com as conquistas do Corinthians e tenha sido infeliz nas palavras."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.