Horário errado no ingresso deixa alguns de fora

Em dia que vai entrar para a história do clube como um dos mais felizes, nem todos tiveram motivos para comemorar. Alguns saíram sem ver o ídolo e ganharam como prêmio de consolo apenas o direito a um passeio pelo Parque São Jorge e a promessa de receber em casa um CD-ROM com os melhores momentos da festa. Pouco para quem encarou uma viagem de mais de quatro horas, como Kevin da Rocha, de 30 anos, que saiu às 5h30 de Bragança Paulista (a 89 quilômetros da Capital), pegou um ônibus até o Terminal Rodoviário do Tietê e ainda um metrô para chegar ao Parque São Jorge por volta das 10 horas. Como viu no ingresso que a festa só começava às 13 horas, resolveu curtir o clima em frente ao clube. Quando percebeu, o craque já tinha deixado o gramado. "Eu até cheguei cedo, mas não me preocupei porque o ingresso marcava 13 horas. Agora, perdi a chance de vê-lo de perto."Como prêmio de consolação, o conselheiro vitalício Waldir Rozante tratou de convidar os que haviam perdido a festa para um passeio no clube, algo só possível em dias normais com a companhia de um sócio ou pagando o valor de R$ 15,00 para visitar o Memorial e, de quebra, ganhar o direito ao tour pelo clube. "A previsão era de que o Ronaldo fosse para o campo só às 13 horas, mas a entrevista coletiva acabou sendo mais rápida do que se esperava. Aí, em vez de deixar o jogador parado, resolvemos levá-lo para o gramado. Infelizmente, isso acabou prejudicando alguns poucos torcedores, mas vamos compensá-los de outra forma", afirmava Rozante um tanto sem graça.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.