EFE/EPA/MARKUS SCHOLZ
EFE/EPA/MARKUS SCHOLZ

Horst Eckel, último remanescente campeão da Copa de 1954, morre aos 89 anos

Ele foi um dos dois atletas que atuou em todas as seis partidas do Mundial da Suíça e faz parte do Hall da Fama do futebol alemão

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de dezembro de 2021 | 12h53

A Alemanha perdeu nesta sexta-feira Horst Eckel, seu último remanescente da seleção, que ainda era Alemanha Ocidental, campeã da Copa do Mundo de 1954, disputada na Suíça. A Federação Alemã de Futebol (DFB, na sigla em alemão) anunciou a morte de Eckel, de 89 anos, que disputou a decisão daquele Mundial contra a Hungria, na partida que ficou conhecida como o "Milagre de Berna". Ele foi um dos dois atletas que atuou em todas as seis partidas do torneio.

"Descanse em paz, Horst Eckel. A DFB lamenta a perda de uma pessoa maravilhosa e campeã mundial de 1954. Nossos pensamentos estão com seus familiares", disse a entidade.

A vitória na final da Copa do Mundo de 1954, por 3 a 2, é valorizada pelos alemães porque os húngaros, comandados pelo craque Puskás, vinham de invencibilidade de quatro anos. Na competição, haviam vencido todos os jogos e a própria Alemanha Ocidental, com uma goleada por 8 a 3 na fase de grupos.

"Ao apito final, soubemos que éramos campeões mundiais, mas só percebemos o que isso significa para as pessoas em casa quando voltamos a pisar em solo alemão. Foi uma ótima recepção", disse Eckel ao jornal alemão Bild em uma entrevista.

Eckel atuou em 32 partidas pela seleção da Alemanha Ocidental. Como atleta, atuou pelo Kaiserslautern entre 1949 e 1960, marcando 64 gols em 213 jogos e conquistado dois títulos nacionais (1951 e 1953), e pelo Röchling Völklingen, entre 1960 e 1966. O ex-jogador deixou a sua esposa Hannelore, suas filhas Dagmar e Susanne e mais dois netos.

Ele faz parte do Hall da Fama do futebol alemão - junto com Uwe Seeler, Franz Beckenbauer, Gerd Müller e Sepp Maier - e foi homenageado por diversos clubes do país - entre eles Bayern de Munique, Hamburgo e Wolfsburg.

Agora, os mais velhos campeões de Copa do Mundo vivos são todos brasileiros, integrantes da seleção de 1958: Zagallo, de 90 anos, Dino Sani, de 89, Pepe, de 86, Moacir, de 85, Mazzolla, de 83, e Pelé, de 81.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.