Hortência: ''basquete não perdoa falhas''

Na avaliação da ex-jogadora Hortência, o principal fator para a derrota do Brasil foi o nervosismo. "A seleção até que estava marcando bem. Não é normal o Nowitzki marcar 20 pontos, a média dele é 35", exagerou a comentarista do Sportv."O basquete é um esporte muito dinâmico, que não perdoa falhas", analisou. "Não se pode ter altos e baixos num jogo tão importante como esse, que valia uma vaga para a Olimpíada", emendou a ex-atleta, campeã mundial em 1994 e medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996.Ontem, o time comandado pelo espanhol Moncho Mosalve teve um "apagão" no fim do segundo quarto e permitiu que os alemães abrissem uma grande vantagem.Faltando menos de três minutos para o intervalo, o jogo estava parelho - o Brasil perdia por 31 a 26, diferença muito pequena no basquete.Mas aí os brasileiros permitiram que a Alemanha anotasse 14 pontos em seqüência, sem nenhuma cesta do Brasil. O placar ao fim do segundo quarto mostrava 45 a 26 para a Alemanha."Se você fica sem ação durante dois minutos e meio, isso é a morte no basquete", definiu Hortência. Para ela, a ausência dos jogadores que atuam na NBA também atrapalhou o Brasil.Antes do Pré-Olímpico Mundial, na Grécia, pediram dispensa da seleção os pivôs Nenê, Anderson Varejão e Paulão, além do armador Leandrinho Barbosa e do ala Guilherme Giovannoni.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.