Filipe Araújo/AE
Filipe Araújo/AE

Hotel de luxo une profissionais e base do São Paulo

Time do técnico Leão vai fazer pré-temporada no CT de Cotia, ao lado dos garotos dos times menores; prédio de três andares custou R$ 8 milhões

PAULO FAVERO, O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2012 | 03h06

SÃO PAULO - Juvenal Juvêncio está ansioso para receber os jogadores do São Paulo para a pré-temporada do clube no hotel que ainda não foi inaugurado, no Centro de Formação de Atletas. O prédio de três andares é a realização de um projeto que começou em abril de 2010 e custou perto de R$ 8 milhões. Nesta terça, o dirigente esteve no local e viu funcionários dando os últimos retoques. Pela primeira vez o time fará sua preparação em Cotia. "A gente sempre sonhou em ter um negócio desses. O nosso futuro está aqui", diz, com exclusividade ao Estado.

O dirigente sempre desejou uma integração maior entre as categorias de base e o time profissional. Agora, verá os atletas juntos, com os garotos podendo conhecer de perto os ídolos da equipe de cima. A preparação será feita lá a partir de hoje até o dia 18 ou 19. "O Leão (técnico), quando viu isso aqui, ficou louco", lembra Juvenal. "E é capaz de o Rogério Ceni não querer voltar para a Barra Funda", brinca, contando que o capitão do São Paulo até cogitou a possibilidade de comprar uma área na região.

No terreno de dez alqueires, o clube fez 12 campos de futebol, sendo que o principal tem arquibancada para 1.500 pessoas e dimensões e tipo de grama iguais ao do Estádio do Morumbi. Também possui um Reffis maior do que o do CT da Barra Funda. Walter Follador Júnior, engenheiro e gerente de manutenção do São Paulo, revela que o próprio Juvenal fez questão de escolher os itens de decoração dos 72 quartos. "Ele deu o sinal verde para cada coisa, desde o tipo de luminária até as cadeiras."

Detalhes. Juvenal reconhece mesmo que fez questão de participar do projeto. "Isso aqui é piso alemão, esta luminária tem design italiano. Olha só os detalhes destes frisos no batente da porta!" O dirigente observa cada detalhe e elogia a concepção arquitetônica de Ruy Ohtake. "Uma das coisas boas que temos aqui é a quantidade de luz que entra no prédio. É uma iluminação natural muito interessante", diz.

A única interferência no projeto foi a inclusão de um deck de madeira no primeiro andar, que proporciona uma bela vista dos campos. "Não tinha isso, mas eu pedi para que ele colocasse."

Cada suíte de 21 metros quadrados está equipada com duas camas de viúva, fabricadas na marcenaria do próprio clube, dois armários, duas cadeiras e duas escrivaninhas. Conta ainda com TV de plasma de 42 polegadas, abajur de led, frigobar e iluminação indireta e telefone. A previsão é que cada atleta possa ficar em uma suíte, não sendo necessária a divisão entre os jogadores.

Já Juvenal ficará na suíte master, com cerca de 50 metros quadrados, que possui dois banheiros, sendo um bem grande e com banheira, uma cama de casal e uma sala com sofá e mesinha. Quase todos os quartos têm uma vista para os campos, já que o hotel fica no alto.

Além disso, as áreas comuns possuem lanchonete, mesas de sinuca, pebolim e xadrez, escritório, sala de reuniões, chapelaria e sala de leitura. Com toda essa preocupação com o conforto, os atletas têm tudo para se sentir em casa no novo lar.

Mais conteúdo sobre:
futebol São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.