Hugo Chávez lamenta morte de boxeador venezuelano

O presidente Hugo Chávez disse neste domingo que a morte de Edwin Valero lhe deixou "uma lágrima que cruza a minha alma" e que o boxeador, que se suicidou depois de supostamente matar a esposa, não conseguiu vencer seus rivais mais fortes: as drogas e o álcool.

AE-AP, Agência Estado

25 de abril de 2010 | 17h52

"Em sua brilhante carreira no boxe, dando tudo pela Venezuela, o "Inca" Valero não conheceu a derrota", escreveu o presidente em sua coluna dominical Líneas de Chávez. "Mas ele não podia tornar-se vencedor de si mesmo".

Valero, que conseguiu 27 nocautes consecutivos e tinha uma tatuagem enorme de Chávez no peito, se enforcou em uma cela na semana passada. Ele havia sido preso no dia anterior, sob a acusação de ter matado sua mulher Jennifer Carolina Viera, de 24 anos.

Centenas de seguidores assistiram na semana passada o funetal de Valero na sua cidade natal, El Vigía. Parentes e amigos do ex-campeão mundial dos ligeiros do Conselho Mundial de Boxe e da Associação Mundial de Boxe disserem que ele sofria de dependência da cocaína e de álcool.

Tudo o que sabemos sobre:
boxeEdwin ValeroHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.