Hulk resiste às vaias e se mantém titular na seleção

Hulk dá sinais de que não vai se envergar diante das vaias da torcida ou da sombra de Lucas no banco de reservas. Tem sido assim desde que a seleção se reuniu no Rio: em todas as partidas o torcedor perde logo a paciência com o atacante titular de Felipão, começa a vaiá-lo e a pedir pela entrada do jogador do Paris Saint-Germain.

ROBSON MORELLI, Agência Estado

18 de junho de 2013 | 09h35

Tirar Hulk do time também tem sido uma decisão frequente do treinador, mas não somente para colocar Lucas. Na vitória de 3 a 0 sobre o Japão, Hulk deu lugar a Hernanes - Lucas havia entrado na vaga de Neymar minutos antes.

Hulk espera mais carinho do torcedor nordestino e já teve boa mostra disso no primeiro treino do Brasil em Fortaleza. O atacante foi bastante requisitado para tirar fotos com a torcida. Ele vem demonstrando ser por dentro tão forte quanto é por fora, e encara sem sobressaltos a desconfiança do torcedor com o seu futebol.

Quando foi substituído no Estádio Nacional de Brasília, o Mané Garrincha, tomou nova saraivada de vaias, mas dessa vez misturadas a tímidos aplausos, o que o fez retribuir o raro momento de carinho dispensado a ele.

"Aqueles aplausos não foram um gesto irônico da minha parte. Eu realmente agradeci o carinho dos torcedores, que nos apoiaram até o fim numa bonita festa", disse o atacante, reforçando não se incomodar com as manifestações contrárias a ele nas arquibancadas. "Como disse ainda em Goiânia ou Rio, se me sentisse incomodado com isso, já teria falado para o Felipão me tirar do time."

Hulk não tem jogado bem, mas é bastante útil no esquema tático. Além de fechar os espaços e segurar o lateral em sua marcação, ele se reveza com Neymar o tempo todo pelos lados do campo. A intranquilidade talvez tenha tirado de Hulk o que ele mais sabe fazer: os arremates de fora da área.

Contra o Japão, ele quase acertou. Num chute ainda no primeiro tempo, o atacante encheu o pé e fez o torcedor se levantar, mas a bola bateu na rede pelo lado de fora.

O que também tem ajudado Hulk a se manter na equipe são as atuações pouco convincentes de Lucas. Os gritos da torcida pedindo a sua entrada se tornaram quase que um hino para protestar contra os erros de passes e conclusões de Hulk, mas não são tão justos assim com o titular nem tão merecidos pelo reserva. Lucas tem entrado em todas as partidas, desde os amistosos, e feito pouco. Felipão tem ainda uma outra opção se precisar acelerar o jogo: a entrada de Bernard, que anda fazendo seus golzinhos nos treinos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.