IAAF anuncia presidentes de novas comissões para mudar cenário do atletismo

Em meio a uma grande crise de imagem depois do escândalo de doping que estourou no ano passado, o atletismo conta com a criação de diversas comissões e grupos de conselho para tentar mudar seu cenário. Nesta quarta-feira, a Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) anunciou quem presidirá cada um dos 21 destes novos grupos.

Agência Estado, Estadão Conteúdo

23 de março de 2016 | 12h33

De acordo com comunicado divulgado pela IAAF, as novas comissões "são desenhadas para assistir a entrega de um fundamental programa de mudanças para a administração global do esporte". Serão 12 comissões, como as dos atletas, de audições e finanças, dos técnicos, de relações internacionais, médica e antidoping, entre outras. Além de nove grupos de conselho, como do calendário de competições, de marketing e comercial, de operações de mídia e imprensa, entre outros.

"Os presidentes das comissões foram escolhidos pela vasta experiência e conhecimento ao redor do globo, dentro e fora da família do atletismo, e suas sabedorias combinadas serão uma importante fonte para construir um esporte moderno que está aberto para novas ideias e é rápido e responsável com os desafios que tem pela frente", explicou o presidente da IAAF, Sebastian Coe.

Entre as figuras mais importantes escolhidas, estão o sul-africano Harold Adams no comando da Comissão Médica e Antidoping, o presidente da Federação Francesa de Atletismo, Bernard Amsalem, liderando a Comissão de Valores, e o ex-secretário-geral da IAAF, Pierre Weiss, à frente da Comissão Master.

Trata-se de mais uma reforma no comando da IAAF na tentativa de melhorar a imagem da entidade depois dos escândalos de doping sistemático envolvendo o atletismo russo e de corrupção e cobertura de casos de doping envolvendo a própria entidade.

Tudo o que sabemos sobre:
Sebastian Coe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.