IAAF bane filho de ex-presidente e dois russos por escândalo de doping

O escândalo de doping no atletismo que estourou em 2015 segue gerando repercussão. Nesta quinta-feira, a Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF, na sigla em inglês) anunciou duras punições a três envolvidos no caso e suspendeu da modalidade pelo resto da vida os russos Valentin Balakhnichev e Aleksey Melnikov e o senegalês Papa Massata Diack.

Estadão Conteúdo

07 de janeiro de 2016 | 11h45

Papa Massata Diack é filho do ex-presidente da entidade, Lamine Diack, e trabalhava como consultor da IAAF. Já Balakhnichev é um ex-presidente da Federação Russa de Atletismo, enquanto Melnikov era o treinador da marcha atlética e corridas de longas distâncias da seleção do país.

As punições foram resultado do caso envolvendo a maratonista russa Liliya Shobukhova. De acordo com uma investigação, a atleta pagou centenas de milhares de dólares para não ficar de fora da Olimpíada de Londres, em 2012, por doping. Diack, Balakhnichev e Melnikov estariam envolvidos neste esquema.

A própria Shobukhova colaborou com a investigação e forneceu as evidências necessárias no ano passado. Também por conta deste caso, o ex-diretor do departamento antidoping da IAAF, Gabriel Dolle, foi suspenso do atletismo por cinco anos. De acordo com o comunicado da entidade, sua sanção foi menor porque "seus pecados foram de omissão, não de comissão".

Este é apenas mais um caso em meio a um grande escândalo de doping que estourou em 2015 no atletismo e culminou na suspensão da Federação Russa de Atletismo de competições internacionais. Por conta desta punição, a presença dos atletas russos na Olimpíada do Rio, este ano, ainda é incerta.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismodopingIAAF

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.