Ídolo do Vale-Tudo, Minotouro tenta brilhar no boxe

Antonio Rogério Nogueira, o Minotouro, é um ídolo no Japão, onde ao lado do irmão gêmeo Rodrigo Minotauro, entusiasma a fanática torcida japonesa em eletrizantes combates de Vale-Tudo. Mas, aos 30 anos e estabilizado financeiramente, o lutador baiano busca maior ?visibilidade?: no boxe.?No Brasil, ainda existe muita discriminação com o Vale-Tudo. Muito pouco espaço é dedicado a esta competição?, disse Minotouro, que possui apenas patrocinadores japoneses. No boxe, ele é o atual campeão dos superpesados e sagrou-se campeão sul-americano mês passado na Argentina, mas seu maior objetivo é garantir a vaga na categoria dos pesados para disputar os Jogos Pan-Americanos de 2007, que terão como sede o Rio. ?Todo o noticiário estará voltado para esta competição (Pan). Nada melhor do que disputá-la e vencê-la?, afirmou o atleta, que tem a ajuda do boxeador Laudelino de Barros e de Luiz Dórea, técnico de Acelino Popó Freitas, no início de carreira.?A minha maior preocupação é melhorar a seqüência de golpes e a defesa?, enfatizou o lutador, que diz só ter perdido uma vez em 11 combates de boxe. ?E foi para um romeno que deverá disputar medalha na Olimpíada de Pequim, em 2008?, contou.Minotouro não é o primeiro a tentar trocar o Vale-Tudo pelo boxe. Em 2000, Vítor Belfort buscou uma vaga na equipe olímpica para os Jogos de Sydney, mas não obteve êxito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.