Idosos vão poder pagar meia em todos os ingressos

Projeto da Lei Geral, que pode ser votada hoje na Câmara, mantém direito do Estatuto e cria faixa popular para os bilhetes

EDUARDO BRESCIANI, O Estado de S.Paulo

14 de fevereiro de 2012 | 03h07

BRASÍLIA - A última versão do relatório da Lei Geral da Copa permite que idosos comprem ingressos para a Copa de 2014 a cerca de US$ 12,50 (R$ 21,45), metade do valor dos bilhetes populares que serão vendidos pela Fifa. O relator, Vicente Cândido (PT-SP), conservou no texto o direito de quem tem mais de 60 anos à meia-entrada e os manteve na chamada "cota social". A proposta pode ser votada nesta tarde na comissão especial da Câmara que debate o tema.

O duplo direito aos idosos foi a fórmula encontrada pelo relator para atender ao desejo da presidente Dilma Rousseff de preservar a lei federal que garante a meia-entrada para quem tem mais de 60 anos sem penalizá-los com um ingresso mais caro. Serão vendidos no evento quatro tipos de bilhetes, sendo a categoria 4 com preço de cerca de US$ 25,00 (R$ 42,90), segundo a Fifa. Com o novo texto de Cândido, os idosos poderão pagar metade em todas as categorias.

A expectativa dos integrantes da comissão é que o maior debate seja sobre a permissão de venda de bebidas alcoólicas durante os eventos da Fifa. A versão do relatório apresentada ontem permite o comércio nestas ocasiões em copos de plástico. A proposta é mais tímida do que a ideia inicial do petista de estender a liberação também para jogos de campeonatos nacionais, mas alguns deputados são contra a venda mesmo na Copa.

Depois de reuniões com o Executivo, o relator decidiu manter o texto do Planalto sobre a responsabilidade civil da União em relação à Copa.

A Fifa tentava incluir no projeto a obrigatoriedade de ressarcimento em casos de desastres naturais e atos de terrorismo. A versão que vai a voto, porém, determina que o país será responsável por prejuízos causados por ação ou omissão.

Parlamentares que participam do debate, porém, dizem que o governo e a Fifa debatem uma outra forma de aumentar as garantias da entidade. Uma possibilidade é a realização de um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU) isentando a Fifa de responsabilidade em caso de tragédias durante os eventos.

O relatório mantém a previsão de férias escolares durante a Copa e do uso de aeroportos militares para atender a um possível excesso de demanda.

Greve. Parte dos operários que trabalham na reforma do Castelão, em Fortaleza, paralisou as atividades, ontem. De acordo com o sindicato da categoria, há várias irregularidades como salários atrasados, falta de pagamento da cesta básica e falta de alojamento para pessoas de outras cidades.

Ontem, o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, visitou a Arena da Baixada, em Curitiba, e mostrou-se satisfeito com o andamento das obras. "Consideramos que a Copa aqui já é realidade, já está em curso'', disse. Ele também elogiou o estágio das intervenções de mobilidade urbana na cidade.

Na Arena, máquinas já trabalham no estacionamento ao lado do estádio e no gramado, que deve ser rebaixado em um metro e meio para que as arquibancadas possam ganhar mais degraus. Operários estão retirando a cobertura, placas laterais e cadeiras. / COLABOROU EVANDRO FADEL

Tudo o que sabemos sobre:
FutebolCopa do MundoLei Geral da Copa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.