Imbatível, Porto tira a graça do Português

Time conquista 71 pontos em 75 possíveis, abre 16 de vantagem sobre o Benfica e é campeão com 5 rodadas de antecedência

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2011 | 00h00

Nos últimos 30 anos, apenas em quatro oportunidades o título do Campeonato Português não ficou com Porto ou Benfica. Nesta temporada, porém, a falta de equilíbrio entre os clubes lusitanos chegou a um recorde histórico. Campeão com sete rodadas de antecedência, o invicto Porto fez 71 pontos em 75 possíveis - o Benfica, em segundo, tem 55, e o terceiro colocado, o Sporting, está 29 pontos atrás (42), mas fez um jogo a mais. Números que credenciam o Português como o campeonato nacional mais desequilibrado da Europa.

Com 95% de aproveitamento, a campanha do Porto, que hoje encara o Portimonense às 14h15 (de Brasília) na casa do rival, é arrasadora. Venceu 23 dos 25 jogos que disputou (empatou os outros dois) e seu artilheiro, o atacante brasileiro Hulk, fez 21 gols em 23 partidas. Seu companheiro de ataque, o colombiano Falcão Garcia, fez 11 em 19.

A mescla de jogadores sul-americanos, por sinal, tem sido apontada como fator decisivo para a superioridade do Porto. "Além de ter a melhor estrutura física, o clube tem uma estrutura de prospecção muito boa, especialmente no mercado brasileiro e argentino", diz o jornalista Hugo Souza, do diário português O Jogo. "Não são investimentos muito significativos, mas trazem retorno."

Vitrine. Campeão no ano passado, o Benfica, que tem adotado tática semelhante, demorou a se recuperar da perda de Ramires e David Luiz para o Chelsea e do argentino Di Maria para o Real Madrid. Com três derrotas em quatro jogos, tropeçou nas rodadas iniciais e deixou a brecha para o rival disparar. Agora, a boa campanha do Porto dá esperança aos atletas dos Dragões de ter o mesmo reconhecimento. "É uma grande vitrine, sem dúvidas. Ano passado o Benfica foi campeão e logo depois Ramires e Di Maria acabaram sendo negociados. Isso é sinal de que a competição é vista", diz o goleiro Helton, que sofreu apenas 9 gols em 25 jogos.

Ele lembra, porém, que o domínio de Porto e Benfica não é anormal na Europa. "O Campeonato Português não é tão acirrado quanto o brasileiro, mas essa também é uma característica das demais ligas europeias"", argumenta Helton. "Geralmente são as mesmas equipes que brigam pelo título."

Na verdade, os únicos casos semelhantes ocorrem na Espanha e na Grécia, mas não chegam a se igualar. Entre os espanhóis, o Barcelona de Messi lidera com 84 pontos - oito de folga sobre o Real Madrid e 27 à frente do Valencia, terceiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.