Daniel Teixeira/AE
Daniel Teixeira/AE

Improviso marca a estreia do São Paulo

Com técnico ameaçado e sem o favoritismo dos últimos anos, time tem carências para pegar o Flu em São Januário

Bruno Deiro, O Estado de S.Paulo

22 de maio de 2011 | 00h00

Clube mais bem-sucedido na fase de pontos corridos do Campeonato Brasileiro (desde 2003), o São Paulo estreia hoje contra o Fluminense, às 18h30, no Rio, em crise e com carências indisfarçáveis.

Elogiado nos últimos anos por ter um dos mais fortes elencos do País, o clube do Morumbi inicia a competição com o desafio de lidar com improvisos em diversos setores. O técnico Paulo César Carpegiani, ameaçado, não pode nem pensar em derrota e deve usar quatro volantes para suprir os desfalques na defesa.

Miranda está fora e Alex Silva dificilmente joga. Por isso, a dupla reserva Xandão e Luiz Eduardo será reforçada por Rodrigo Souto. No meio, Wellington, Casemiro e Carlinhos Paraíba compõem o paredão defensivo.

No ataque, com Fernandinho contundido e Marlos desgastado, a alternativa é usar Lucas mais à frente para criar as chances com Dagoberto, artilheiro do time na temporada (13 gols).

"É difícil (tantos desfalques), por causa do momento que estamos vivendo. Mesmo se tivéssemos todos já ia ser complicado", lamentou Dagoberto, que não marca há três jogos.

O jejum de gols, por sinal, tem sido uma preocupação do torcedor. A falta de pontaria foi apontada como principal responsável para a queda nos jogos decisivos do Paulista e da Copa do Brasil.

"Não é hora de desculpas. Ninguém vai lembrar que fizemos um grande primeiro tempo contra o Santos e podíamos ter batido o Avaí no jogo de ida, no Morumbi", diz o atacante.

Elenco reduzido. Após a saída de Fernandão e Cléber Santana, o elenco ainda deve perder outros jogadores experientes. Miranda está de saída para a Europa, Alex Silva não deve ter contrato renovado. Júnior César será emprestado e Rodrigo Souto também pode ser negociado.

Para piorar, Luis Fabiano só deve reestrear em julho - ontem, ele recebeu alta após passar por uma raspagem na coxa direita.

A diretoria, porém, diz apenas que está atenta ao mercado e fará contratações pontuais quando julgar necessário.

Com poucas opções, Carpegiani terá de seguir apostando na renovação, que, de estratégia, passou a ser a única alternativa para o clube no momento. "Tem de ter calma e inteligência ao colocar um menino que pode ser revelação num momento ruim", afirma Dagoberto.

Até quanto ao uso dos mais jovens, porém, as perspectivas são pouco animadoras para o decorrer da competição. Entre junho e julho, o clube deve perder Lucas por causa da Copa América. Depois, é a vez de Casemiro, Henrique e Willlian servirem à seleção sub-20 no Mundial da Colômbia.

Esta é a terceira vez em que o São Paulo estreia no Brasileiro contra o Fluminense no Rio. Terá a missão de reverter um retrospecto desfavorável: perdeu em 2005 (2 a 1) e em 2009 (1 a 0).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.