Inglaterra para com jogo que pode até valer o título

Vice-líder Chelsea desafia o Manchester United e, se vencer, terá sua última chance de lutar pelo bicampeonato nacional

, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2011 | 00h00

No início de março, o Chelsea assistia impotente à jornada vencedora do Manchester United no Campeonato Inglês. Enquanto os londrinos, campeões da temporada passada, sofriam uma sequência desastrosa de resultados, os Red Devils disparavam na liderança, chegando a colocar até 15 pontos de diferença sobre os rivais.

Mas a triste situação dos Blues ficou no passado. Agora, o Chelsea é o único time que pode ameaçar o reinado dos Diabos Vermelhos. Hoje, ao meio-dia (horário de Brasília), com transmissão da RedeTV! e da ESPN/Brasil, a equipe londrina tem sua grande chance: se vencer, assume a liderança da Premier League a duas rodadas do fim.

A diferença entre os dois times é de apenas três pontos (73 a 70). Ambos venceram 21 vezes, o que significa a liderança no caso de vitória do time do italiano Carlo Ancelotti, que foi alvo de críticas da torcida e foi "demitido" pela imprensa inglesa diversas vezes. Meses depois, o treinador tem a chance de dar ao Chelsea o único título que a equipe ainda disputa no ano.

Embora tenha vencido o Manchester no primeiro turno (2 a 1), em Stamford Bridge, hoje o Chelsea enfrentará uma das maiores invencibilidades do futebol atual: o rival não perde em seu estádio desde abril de 2010. No Old Trafford, foram 16 vitórias e um empate. Na conta, está incluso o confronto entre os dois times pelas quartas de final da Copa dos Campeões. Torneio, aliás, que o Manchester United decidirá com o Barcelona, dia 28, em Wembley.

O técnico Alex Ferguson contará com a força máxima no Manchester. Wayne Rooney, Rio Ferdinand e Vidic voltam ao time. "Nossa invencibilidade em casa é, provavelmente, a maior em toda a Europa," disse Ferguson. "Se vencermos hoje, vamos ganhar a Liga."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.