Ingleses jogam para apagar a má impressão

Time chegou à Copa como favorito e quase caiu na 1ª fase. Agora, busca embalo, mas tem trauma de decidir nos pênaltis

, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2010 | 00h00

Tentando sair da crise, a seleção inglesa busca sua redenção contra a Alemanha, mas admite que fará de tudo para evitar os pênaltis. A Inglaterra começou o Mundial com um empate contra os Estados Unidos e outro contra a Argélia. Só conseguiu se classificar em segundo lugar graças a uma vitória magra sobre a Eslovênia. Agora, quer relançar sua campanha, exatamente contra sua maior inimiga. Para isso, contará com força total.

Os ingleses desembarcaram na África do Sul como um dos favoritos. Mas quase ficaram de fora. "O que ocorreu na primeira fase não conta mais. Todos partem do zero agora", disse o capitão John Terry.

Duramente criticados por sua atuação decepcionante na fase de grupos, os jogadores tomam o duelo contra a Alemanha como a oportunidade ideal para levantar o moral da equipe numa campanha que tem como meta a final da Copa, 34 anos após a única conquista dos ingleses. "Ganhar da Alemanha pode dar um sentido romântico à nossa campanha", ressaltou o goleiro David James, que virou titular após falha de Green no jogo de estreia.

O técnico Fabio Capello já indicou que Rooney está recuperado da lesão que sofreu na última partida e conta com todos os 23 jogadores. "Todos estão em forma e isso é algo que nos dá muita confiança", disse. "Terei opções de jogo, o que é importante numa partida como essa", afirmou. Lennon e Carrick também estão à disposição, enquanto Carregher volta de suspensão.

A maior surpresa é o zagueiro Ledley King, que formaria a defesa titular com Terry. Ele se contundiu no primeiro jogo contra os Estados Unidos e a perspectiva era de que só voltasse para a semifinal. Mas surpreendeu e já treina. O que pode dificultar sua volta é a partida perfeita que fez Upson contra a Eslovênia.

O grande drama dos ingleses é evitar que o jogo vá para os pênaltis. Em todos os enfrentamentos entre as duas seleções em Copas, o jogo foi no mínimo para a prorrogação - os ingleses vivem um pesadelo com seus goleiros. No primeiro jogo, Green tomou o maior frango da Copa e foi substituído. Agora, James admite que a meta é a de conquistar a vaga ainda nos 90 minutos.

Ele prefere deixar de lado o histórico de confrontos entre as duas seleções. "Se deixarmos isso nos influenciar, nosso desempenho pode ser prejudicado."

Na Copa de 1990 e na Eurocopa de 1996, os ingleses foram eliminados pelos alemães na disputa de pênaltis. Cairiam, ainda, em 2006, diante de Portugal. Para completar, os alemães nunca foram eliminados em cobranças de pênaltis em Copas. Mas, neste Mundial, perderam o jogo contra a Sérvia depois de Podolski errar a cobrança durante o jogo.

Por segurança, James já treina pênaltis e Capello, para acabar com a pressão, escolheu seus cobradores: Lampard, Rooney, Gerrard, Milner e Barry, com Defoe como alternativa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.