Ingleses levam título no Mundial da Star; Torben é 3.º

Os velejadores ingleses Iain Percy e Andrew Simpson, atuais campeões olímpicos, confirmaram o favoritismo nesta quinta-feira e ficaram com o título do Mundial de Star, disputado no Rio de Janeiro. Os brasileiros Torben Grael e Marcelo Ferreira garantiram lugar no pódio, com o terceiro lugar.

AE, Agencia Estado

21 de janeiro de 2010 | 19h14

Percy e Simpson, que iniciaram a sexta e última regata em vantagem, terminaram a prova desta quinta somente na 16.ª colocação, a pior posição da dupla no Mundial. No entanto, o título foi assegurado graças aos vacilos dos suíços Flavio Marazzi e Enrico de Maria.

A dupla suíça, líder do ranking mundial, ficou muito perto do título durante a última regata, mas caiu de rendimento no final e acabou a prova em 12.º. Para levar o troféu, eles precisavam chegar em segundo e torcer para os ingleses não terminaram entre os 11 primeiros.

Iain Percy e Andrew Simpson venceram apenas uma das seis regatas do Mundial, mas mostraram boa regularidade durante a competição. Eles chegaram na frente na quarta prova e ficaram em segundo lugar nas regatas 1 e 3. Na quinta regata, foram o quarto colocado. O pior resultado aconteceu justamente na prova desta quinta, com a 16.ª colocação.

Entre os brasileiros, Torben Grael e Marcelo Ferreira subiram ao pódio com o terceiro lugar na última regata. A dupla mostrou grande reação nesta quinta-feira, depois de cair para a 30.ª posição na metade da prova. Eles tiveram uma fraca largada, mas conseguiram se recuperar e cruzar a linha de chegada em terceiro.

Lars Grael e Ronald Seifert, que tinham chances de chegar ao pódio, terminaram a competição na quarta colocação geral, logo atrás de Torben e Ferreira. Lars e Seifert ficaram em quinto na última regata. A dupla foi seguida pelos compatriotas Alan Adler e Guilherme Almeida, que faturaram o quinto lugar geral.

Campeões em 2007, Robert Scheidt e Bruno Prada, que também podiam alcançar o terceiro lugar geral, encerraram sua participação no Mundial de forma discreta. Eles ficaram em 32.º na regata desta quinta-feira, e terminaram na modesta nona colocação.

"Fomos muito inconstantes no campeonato. Fizemos três boas regatas e três ruins. Com isso, não conseguimos brigar por uma posição melhor", reconheceu Scheidt. "O barco e a velocidade estão bons e vamos continuar treinando para a pré-olímpica, em fevereiro, em Brasília, nossa próxima competição".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.