Ingressos mais baratos à venda

Começa hoje, às 9h, a segunda fase da venda de ingressos para a Copa das Confederações, marcada para acontecer de 15 a 30 de junho. Para dois jogos já não há mais entradas. E ambos da seleção: Brasil x Japão (em Brasília) e Brasil x Itália (em Salvador). Para a final, no Maracanã, restam somente 2.466 ingressos, todos de categoria 1, a mais cara, cujo preço é de R$ 418.

TIAGO ROGERO / RIO, O Estado de S.Paulo

15 de fevereiro de 2013 | 02h04

Até ontem, após a pré-venda (exclusiva para clientes Visa) e primeira fase, 52% das entradas (426,3 mil) já estavam reservadas: 342,3 mil para o público e o restante para parceiros comerciais, emissoras de TV com direito de transmissão, confederações nacionais e 9,7 mil ao programa camarotes empresariais.

Agora, serão vendidos 291,2 mil ingressos, 140 mil deles da categoria 4, a mais barata (R$ 56 ou R$ 76), exclusiva para residentes no Brasil. Somente nela, estudantes e beneficiários do Bolsa Família têm direito à meia-entrada (idosos têm direito ao desconto nas categorias 1, 3 e 4).

Segundo o diretor de marketing da Fifa, Thierry Weil, mesmo entradas que já estejam esgotadas podem voltar a ficar disponíveis. Por isso, a Fifa usa a expressão "reservados" e não "vendidos", já que para ingressos da primeira fase ainda faltam as confirmações das compras e pagamentos. Caso não seja concluída a venda, o ingresso volta ao sistema para ser vendido novamente. "Aprendemos com a África para permitir que tenha mais categoria 4, para que brasileiros possam ir aos estádios. Aumentamos a categoria 4 baseados nisso", afirmou o dirigente.

Cada confederação para o jogo em questão tem direito à reserva de 8% dos ingressos. Os que sobrarem também ficarão disponíveis para o público em geral. O mesmo acontece com as entradas reservadas para a CBF (1%) e Comitê Organizador Local (2%). Na primeira fase, houve sorteio. A venda agora é por ordem de procura.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.