Iniciativa privada toma conta do esporte

Gestão deficiente faz empresariado mesclar aporte financeiro a cobranças gerenciais de seus parceiros

Amanda Romanelli, O Estado de S.Paulo

29 de maio de 2011 | 00h00

Os problemas - ou a falta de - gestão no esporte brasileiro fizeram com que empresários saíssem do mero papel de patrocinadores. Também exigem metas, compromissos e resultados, valores da iniciativa privada, como contrapartida para os investimentos em projetos esportivos.

Com este perfil, que mescla aporte financeiro e cobranças gerenciais, foram lançados nesta semana dois projetos voltados ao esporte olímpico, da base ao alto rendimento, até a Olimpíada de 2020. O Movimento LiveWright e o Lide Esporte são iniciativas que reúnem a nata do empresariado brasileiro e passam ao largo do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), entidade no topo da hierarquia esportiva do País.

O LiveWright, criado em homenagem ao empresário Roger Wright, morto há dois anos, escolheu 10 modalidades. Em 2011, trabalhará quatro (canoagem, ciclismo, ginástica e lutas, junto a federações ou confederações), com previsão de captar e investir R$ 10 milhões. O foco é o alto rendimento, mas admite fazer, temporariamente, a detecção.

"Isso ocorrerá nos esportes em que há uma distância muito grande entre base e elite", admite Celso Schvartzer, CEO do LiveWright. "Serão ações temporárias para que se possa alimentar o alto rendimento."

Já o Lide Esporte é um braço recém-criado do Grupo de Líderes Empresariais, que reúne 46% do PIB privado do País e espera ser mediador entre corporações e projetos esportivos.

O início dos trabalhos foi dado ontem, com o 1.º Fórum Nacional do Esporte, na capital paulista. Seis projetos de três entidades - Atletas pela Cidadania, Instituto Tênis e Instituto Joaquim Cruz -, serão os primeiros a receberem apoio. São exemplos da "capacidade gerencial" essencial para os parceiros que virão.

Ao contrário do LiveWright, o Lide Esporte privilegiará a base. "Não é um modelo que visa formar medalhistas para 2016", diz Paulo Nigro, presidente da Tetra Pak, que lidera o grupo. "Não acredito que se forje (um medalhista) em período tão curto. Não temos base, formação técnica. Nosso modelo de gestão é trabalhar até a alta performance."

Ambos os projetos convergem na exigência da boa utilização dos recursos, com ética e transparência. E o acompanhamento, claro, será direto.

O LiveWright, por exemplo, deixa claro um de seus pilares: levar ao esporte brasileiro os valores do mundo das empresas privadas, entre eles, o desempenho e meritocracia. "Onde tiver um projeto apoiado por nós, estaremos lá", garante Schvartzer. "Não teremos problemas em reposicionar o investimento."

Com uma participação mais ativa junto a confederações e federações, o CEO do movimento explica por que os esforços não foram destinados ao COB. "Nós apresentamos o projeto a eles mas preferimos definir nossas ações", explica. "O COB gosta de receber o recurso e gerenciar à sua maneira. Nós temos o foco da iniciativa privada - é uma visão bastante diferente."

O Lide também espera trabalhar em conjunto com a pirâmide esportiva. "Precisamos do apoio de confederações e dos clubes. Nossa missão é agregar", diz Paulo Nigro, preocupado com um aspecto peculiar da vida esportiva nacional: "Parece que tudo o que acontece no esporte desagrega, vira política. No dia em que sentirmos que isso começar a gerar conflitos, paramos."

Mas, coincidência ou não, representantes do COB não estiveram no lançamento de nenhum dos dois projetos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.