Inter brasileiro fica em 3º, mas Roth não escapa das vaias

O Internacional de Porto Alegre não conseguiu apagar a decepção da derrota para o Mazembe por 2 a 0 na semifinal, mas, se serve de consolo para seu torcedor, que mais uma vez incentivou o time em Abu Dabi, a equipe teve atuação mais consistente, venceu o Seongnam por 4 a 2 e garantiu o terceiro lugar no Mundial de Clubes da Fifa.

, O Estado de S.Paulo

19 de dezembro de 2010 | 00h00

Mesmo assim, os cerca de 8 mil gaúchos que estiveram no Estádio Zayed Sports City e apoiaram a maioria dos jogadores não pouparam Celso Roth. Quando sua imagem aparece no telão, antes do início do confronto, houve vaias para o técnico. Embora alguns dirigentes defendam sua permanência no clube, como Fernando Carvalho, presidente de honra, a pressão é grande para que o comando seja trocado.

Roth manifestou o desejo de seguir no Beira-Rio e chegou a chorar durante o jogo. "A diferença é que hoje (ontem) fizemos os gols", declarou, lamentando, mais uma vez, as oportunidades perdidas contra o Mazembe.

A vitória surgiu sem dificuldade. Mesmo abatido, o Inter fez 2 a 0 no primeiro tempo, com Tinga e D"Alessandro. Na etapa final, D"Alessandro novamente e Alecsandro ampliaram o placar e, no fim, o colombiano Molina marcou dois para a equipe coreana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.