Inter não dá chance a zebra coreana

Equipe de Milão entra bem mais atenta em campo do que o Inter de Porto Alegre, faz 3 a 0 no Seongnam e avança à final contra o surpreendente Mazembe

Giuliander Carpes, O Estado de S.Paulo

16 de dezembro de 2010 | 00h00

Ao contrário do homônimo gaúcho, que teve um fracasso retumbante na véspera, a Internazionale de Milão honrou ontem o rótulo de favorita e passou com facilidade à final de sábado do Mundial de Clubes. A equipe italiana, escaldada pelo tropeço colorado diante do Mazembe, não deu a mínima chance para os coreanos do Seongnam, campeões asiáticos. Iniciou a partida pressionando e terminou com um placar confortável: 3 a 0, no imponente Estádio Zayed Sports City, que recebeu o primeiro grande público da competição - cerca de 36 mil pessoas.

"A partida do Internacional nos serviu de aviso", afirmou o técnico Rafa Benítez. "A equipe brasileira teve domínio do jogo, mas tomou um gol e se perdeu. Qualquer descuido em um jogo eliminatório pode custar muito caro. Não se pode entrar desconcentrado em campo."

A Inter chegou a Abu Dabi envolta em uma grave crise - está apenas na sétima colocação do Campeonato Italiano e o técnico corre sérios riscos de perder o emprego na volta para a Itália. Mas bastou ter chance de escalar todas as suas estrelas para lembrar um pouco aquele time que conquistou a Copa dos Campeões da Europa derrotando esquadras fortes como Barcelona e Bayern de Munique.

Mesmo tendo perdido o talentoso Sneijder logo em lance na abertura do jogo - o meia holandês sentiu uma lesão muscular e virou dúvida para a final -, a Inter transformou em gol a primeira chance que teve, a três minutos, com Stankovic. Mostrou suas armas, dominou o jogo. Respirou aliviada. O risco de repetir o vexame colorado estava praticamente afastado.

"Uma partida de futebol sempre pode se tornar difícil, basta a equipe mais qualificada dar chances", comentou o capitão Javier Zanetti, que marcou o segundo gol, aos 32 minutos, após uma belíssima tabela com o companheiro argentino Diego Milito - com direito a passe de calcanhar do atacante. "Futebol é assim. Não se pode dar chances. Se um time se equivoca uma noite põe todo o trabalho em risco."

As poucas adversidades que a Internazionale encontrou na partida de ontem foram em falhas do goleiro Julio Cesar, visivelmente sem ritmo de jogo após passar muito tempo recuperando-se de lesão. Ele saiu mal do gol e soltou uma bola nos pés de um atacante adversário. Foram sustos pequenos. Porque aos 28 minutos do segundo tempo Diego Milito deu o golpe final nos coreanos com mais um gol.

Críticas ao Mazembe. O Mazembe, sensação da competição, terá outro Inter pela frente na final. Mas certamente uma equipe mais concentrada e que deixará o salto alto longe do gramado. "Hoje em dia não há favoritos em nenhum jogo desse nível. Os africanos já mostraram que podem surpreender. Temos de fazer nosso jogo para sair com o título", disse Zanetti. Julio Cesar criticou o adversário da decisão, principalmente o goleiro Kidiaba. "O goleiro está fazendo isso (a comemoração com a dancinha, no chão) para aparecer e ganhar um pouco de fama."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.