Interino corre risco de cair na Vila

Claudinei Oliveira tem consciência de que derrotar a Portuguesa hoje em casa é fundamental para sua permanência no comando do Santos

SANCHES FILHO / SANTOS , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

13 de julho de 2013 | 02h06

O interino Claudinei Oliveira corre risco de ser demitido se o Santos não ganhar da Portuguesa, hoje às 18h30, na Vila Belmiro, pela 7.ª rodada do Brasileirão. Após o empate por 1 a 1 contra o Crac, resultado que coloca em risco a permanência do clube na Copa do Brasil, os dirigentes santistas não falam mais em efetivação do treinador tampão e o nome de Ney Franco volta ser comentado nos bastidores.

O vice-presidente Odílio Rodrigues promete que Claudinei será o primeiro a saber se o Santos decidir por um novo treinador e que ele será mantido na futura comissão técnica.

Após as duas vitórias seguidas, diante do Atlético-MG (antes da paralisação do Brasileiro), na Vila Belmiro, e São Paulo, no Morumbi, Claudinei se fortaleceu, mas a sua situação sofreu uma reviravolta com o empate e a má atuação do time contra o Crac, lanterninha do Grupo B da Série C do Campeonato Brasileiro, e ele parece ter acusado o golpe.

"Pressão é da profissão. Se eu não quisesse passar por isso não teria escolhido a carreira", disse Claudinei, ontem cedo. "Essa situação é normal. Se o resultado vem, você é melhor do mundo, e se o time perde, você não serve mais. Mas eu me considero um vencedor, quero ir mais longe e então tenho de olhar pra frente."

Se dependesse da vontade do Comitê Gestor, Marcelo Bielsa ou Gerardo Martino teria assumido o Santos logo em seguida à demissão de Muricy, em 30 de maio. Porém, os argentinos deram a mesma desculpa para recusar o convite: só aceitariam assumir o time no início da temporada.

Por motivos diferentes, Dorival Junior e Mano Menezes dividiam opinião para assumir o futebol e comandar a renovação do time. O primeiro, por ter batido de frente com os cartolas após ser desrespeitado publicamente por Neymar e optar pelo afastamento do craque, e o outro em razão da forte ligação com Andrés Sanchez e com o Corinthians.

Sobrou Ney Franco, que o Santos tentou tirar da CBF (dirigia as seleções da base) antes de levar Muricy para a Vila, e depois pensou em até sugerir ao São Paulo uma troca durante o Campeonato Paulista: Muricy, que balançava no Santos, voltaria para o São Paulo e Ney Franco, que estava ameaçado no Morumbi, assumiria o Santos. A informação foi vazada e em razão da repercussão negativa, a ideia não foi levada adiante. Agora, Ney está livre.

O time para enfrentar a Portuguesa terá duas mudanças: Edu Dracena, recuperado da tendinite no joelho direito, volta à zaga, e Alan Santos entra no meio de campo substituindo Arouca, que sofreu lesão no músculo posterior da coxa esquerda. Montillo, com o olho esquerdo inchado, foi poupado ontem, mas vai jogar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.