Invencibilidade, o novo desafio do Palmeiras

Time põe à prova hoje, em Guaratinguetá, a campanha de 11 vitórias e apenas 3 empates. O objetivo? Conquistar o título sem perder jogos

Daniel Akstein Batista, O Estadao de S.Paulo

21 de março de 2009 | 00h00

Quer estímulo melhor do que terminar uma competição com o título e sem perder nem um joguinho sequer? OK, um prêmio em dinheiro é sempre bem-vindo. Mas ficar todo um campeonato invicto é algo que poucos conseguem. Vanderlei Luxemburgo diz que essa não é sua meta, mas não esconde que seria satisfatório se acontecesse. Hoje, contra o Guaratinguetá, às 19h10, fora de casa, o Palmeiras tem mais um teste para seguir com a invencibilidade no Campeonato Paulista - até agora são 11 vitórias e três empates. O time pode conquistar matematicamente a vaga na semifinal. Meta alcançada - se vencer hoje -, o desafio será seguir na liderança até o fim da fase classificatória. Para obter sucesso nos dois quesitos, o Palmeiras não poupará forças para o confronto com o Guaratinguetá. Luxemburgo, que cogitou dar descanso para alguns titulares, vai manter a base da equipe.As únicas alterações em relação ao time que venceu Barueri e Noroeste são por motivos que fogem à alçada de Luxemburgo: Keirrison e Willians estão suspensos e vão dar lugar a Ortigoza e Lenny. "A ideia é substituir só os dois", confirmou o treinador. "Vamos conseguir a classificação e, só depois, a gente vê o que vai fazer." Ele só não esperava ter de mudar também o lado direito. Fabinho Capixaba se machucou no treino ontem e Wendel ocupará sua vaga. O técnico está propenso a poupar jogadores nas próximas rodadas. Depois de enfrentar o Guaratinguetá, o time terá mais quatro jogos pela frente. Na terça-feira, quando Marcos deve retornar após a lesão contra o Guarani, dia 28, os titulares podem ganhar um refresco.INVICTO?O último a conquistar o Paulista de forma invicta foi o Palmeiras em 1972. Luxemburgo teve boa chance de levar o troféu sem perder um jogo, em 1996, mas seu time foi derrotado pelo Guarani (1 a 0). Com mais cinco jogos pela frente na primeira fase - e quatro nas finais -, os jogadores acreditam ser possível manter a invencibilidade. Luxemburgo é mais cético. "Nosso pensamento agora é o da classificação", diz o treinador. "Se for possível (continuar invicto), ótimo. Mas é complicado", admite.A nova dupla de ataque tentará manter alta a média de gols do time no Paulista, de 2,28 por jogo. Lenny e Ortigoza só atuaram juntos por alguns minutos na vitória sobre o Guarani. O primeiro, com seis gols este ano, já mostrou a Luxemburgo sua qualidade. Já o paraguaio terá a primeira chance de iniciar uma partida."Estamos conhecendo o Ortigoza de perto só agora. Vamos ver como ele se sai, vai ter uma oportunidade amanhã (hoje)", conta Luxemburgo, confiante numa boa partida do atleta. O treinador comemora também a fase de Lenny, que em 2008 não conseguiu marcar nenhum gol pelo time e agora deu a volta por cima. "Ele achou que tinha conquistado o mundo (quando atuava pelo Fluminense) e, de repente, o mundo desabou sobre ele. Ele tem apenas 20 anos e tive de orientá-lo, mostrar que ele tem potencial."Lenny está consciente de que ainda precisa melhorar para conquistar definitivamente o chefe e a torcida. "Tenho de provar sempre."Outros seis jogos ocorrem hoje pela 15ª rodada: Ponte Preta x Barueri (16 horas); Marília x Oeste, Noroeste x Bragantino, Mogi Mirim x Guarani e Mirassol x São Caetano (18h30); Botafogo x Santo André (20h30).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.