Invencibilidade vira obsessão

Aumentar a invencibilidade passou a ser o novo objetivo de Dunga à frente da seleção brasileira. A equipe não sabe o que é perder há 19 partidas - desde os 2 a 0 a favor do Paraguai, em 15 de junho de 2008 -, venceu as últimas 11 e a meta do mal-humorado treinador é melhorar seus números. "Faltam dois jogos e quero terminar o ano vencendo"", exigiu Dunga anteontem, após a vitória sobre o Chile, por 4 a 2, em Salvador. "Essa é a mentalidade deste grupo.""

Almir Leite, O Estadao de S.Paulo

11 de setembro de 2009 | 00h00

Dunga fez a exigência e voltou a falar em seriedade numa entrevista que parecia a de um técnico cuja equipe acabara de ser goleada. Condenou a atuação do juiz uruguaio Jorge Larrionda e, irritado, usou a ironia para dar pancadas naqueles que, para ele, não reconhecem seu trabalho.

Seus alvos foram a torcida baiana - chegou a virar-se para a arquibancada e xingar um torcedor após o terceiro gol brasileiro - e a imprensa. E proferiu frase lapidar para dizer que entende as críticas a seu trabalho. "Nunca estão satisfeitos (com o técnico da seleção brasileira). Querem aquele que não está no cargo. E quando aquele que não está, está, querem outro.""

Mas Dunga tem razão em uma coisa: a vontade de aumentar a série de partidas invictas também é grande entre os jogadores, que pretendem aproveitar o fato de a seleção, em outubro, enfrentar as frágeis Bolívia e Venezuela. "O mais importante é que a gente não quer perder. Queremos seguir ganhando, pois este é um grupo muito forte, independentemente de quem joga ou não"", disse Julio Baptista, reserva de Kaká e autor de um gol, o segundo, na vitória sobre os chilenos.

O meia da Roma entende que não é porque a classificação para a Copa foi alcançada que os "jogadores vão se deixar levar"". Ele já percebeu um reflexo da série invicta brasileira: "Hoje, as outras seleções têm um pouco mais de respeito pela brasileira.""

O meia Elano é ainda mais incisivo ao falar dos adversários. "Essa fase (pela qual passa a seleção brasileira) sempre mete medo. As vitórias têm de continuar.""

Além das duas partidas pelas Eliminatórias, o Brasil jogará amistoso contra a Inglaterra, em novembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.