Investimento faz rúgbi crescer no Brasil

Modalidade será disputada nos Jogos Olímpicos de 2016, no Rio de Janeiro

Paulo Favero,

08 de setembro de 2011 | 13h06

SÃO PAULO - A Confederação Brasileira de Rúgbi vem investindo no esporte nos últimos anos para torná-lo mais popular e melhorar o nível técnico dos atletas. Quando o Rio de Janeiro escolheu o rúgbi como um dos esportes para os Jogos de 2016, a entidade passou a trabalhar com mais afinco para promover o crescimento da modalidade.

No feminino, o Brasil vem obtendo bons resultados internacionais e tem chances de medalha na Olimpíada carioca. Já o masculino tem conseguido jogar de igual para igual contra adversários que antes aplicavam goleadas.

Outro fator importante é o apoio de patrocinadores. O Bradesco patrocina a seleção e a Topper, fornecedora de material esportivo, também investe na modalidade e tenta ajudar a confederação a ampliar os horizontes do rúgbi no Brasil.

"Além de termos história no esporte na Argentina, já marcamos o nosso nome como primeira patrocinadora de material esportivo da seleção brasileira (times masculino e feminino) e buscamos também esse reconhecimento de tradição na modalidade por aqui. Dessa forma acreditamos que a modalidade crescerá, ganhará milhares de adeptos e assim o Brasil poderá ter um time ainda mais competitivo para disputar as competições internacionais no futuro", explica Germán Pipet, gerente da Topper no Brasil.

Desde a parceria com a confederação, em 2009, a empresa passou a fazer comerciais bem humorados para mostrar que o esporte está em expansão no país. "Decidimos estrategicamente apoiar o crescimento do rúgbi porque acreditamos na força desse esporte. É uma das modalidades mais praticadas no mundo e o brasileiro, que vive todos os dias o esporte, precisava descobrir esse jogo", comenta Pipet.

A própria Confederação Brasileira tem números que mostram que os esporte está se desenvolvendo no Brasil e isso pode ser atestado no crescimento no número de praticantes e equipes. "Tenho certeza que esse é apenas o começo", conclui o executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
rúgbiBrasilOlimpíadaRio 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.