Invicta, e a dois passos do pódio

Confiante, a seleção feminina pega a China amanhã na semifinal

Eduardo Maluf, enviado especial, Pequim, O Estadao de S.Paulo

20 de agosto de 2008 | 00h00

Ginásio quase lotado. A seleção feminina de vôlei arrasa mais um adversário, o Japão, por 3 sets a 0 (25/12, 25/20 e 25/16), e se classifica para a semifinal. As meninas se abraçam, brincam, dão risada e deixam a quadra para conversar com os jornalistas. A líbero Fabi, primeira a sair, grita: "Contagem regressiva, faltam só dois jogos." Não precisava falar mais nada. As atletas e a comissão técnica nunca tiveram tanta certeza de que, desta vez, o título olímpico será conquistado.A próxima missão é derrotar a China, amanhã, às 9 horas (de Brasília), para chegar à decisão. Se o nível for mantido, não deverá haver dificuldade. Ontem, o time completou 18 sets disputados. Venceu todos, feito incrível em se tratando de uma Olimpíada. Enfrentar as anfitriãs não assusta, embora sejam as atuais campeãs olímpicas, tenham feito 3 a 0 na Rússia ontem e contem com o apoio da torcida, que lotará o Capital Gymnasium de Pequim. "O fator torcida não pode pesar para quem quer ganhar um título olímpico", afirmou Zé Roberto.O treinador lembrou que, na primeira metade da temporada, foram três confrontos, com duas vitórias das sul-americanas. E agora o time tem produzido bem mais do que há alguns meses. Cuba, adversária dos Estados Unidos na outra semifinal, é quem mais preocupa. As eternas rivais vêm, no entanto, apresentando padrão de jogo bem inferior ao das brasileiras.Um detalhe, porém, não pode ser ignorado. Em Atenas-2004, o favoritismo também era das comandadas de Zé Roberto, que acabaram voltando para casa sem nem terem subido no pódio. Foram derrotadas na semifinal pela Rússia e na decisão do terceiro lugar por Cuba. Em 2007, no Pan do Rio, nova decepção - o título ficou com as cubanas."Agora é diferente, em Atenas o time não estava tão bem como está aqui", afirmou o técnico. "As garotas estão preparadas para enfrentar qualquer equipe em qualquer situação." Seis jogadoras de 2004 fazem parte do grupo atual: Mari, Valeskinha, Valewska, Fabiana, Sassá e Fofão. A maior experiência pode pesar favoravelmente. "Vamos ganhar e ir à final", apostou Mari.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.