Iphan insiste na briga contra obra do Pan na Marina da Glória

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) vai recorrer da decisão do Tribunal Regional Federal (TRF), que revalidou a liminar que permite a retomada das obras de construção da nova garagem de barcos da Marina da Glória para as competições de Vela dos Jogos Pan-Americanos de 2007, no Rio. A medida foi anunciada na tarde desta quinta-feira, durante reunião do Conselho Consultivo do Iphan, instância máxima da entidade.?O Iphan vai sempre defender o seu direito de proteger os patrimônios tombados?, disse o presidente do instituto, o arquiteto Luiz Fernando de Almeida. A Empresa Brasileira de Terraplenagem e Engenharia (EBTE), responsável pelas obras na Marina, enviou nesta quinta-feira um novo projeto para a área, que não foi analisado na reunião. ?O projeto chegou 30 minutos antes do início da reunião e nem deu tempo de abri-lo. Ainda vai ser avaliado posteriormente?, explicou o presidente do Iphan. Ele também disse que as provas do Pan não estão ameaçadas, desde que o Comitê Organizador dos Jogos aceite a fazer as reformulações nas obras pedidas pelo instituto. ?As provas de vela são compatíveis com a Marina e dá para resolver a questão?, garantiu.A obra polêmica é a construção de uma garagem de 15 metros de altura sobre o espelho d´água da Baía de Guanabara, que é uma área tombada. O Iphan exige mudanças no projeto por temer que a construção afete o plano paisagístico do Parque do Flamengo, que também é tombado. ?O problema não é a garagem, mas onde ela está localizada. O projeto precisa respeitar o patrimônio e as características ambientais e culturais da cidade?, afirmou Luiz Fernando de Almeida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.