Ironman: mar preocupa Fernanda Keller

Os dias que precederam o Ironman do Havaí, considerado a prova de triatlo mais difícil do mundo, com largada neste sábado, às 15 horas (de Brasília), na Ilha de Kona, preocuparam até mesmo os atletas mais experientes, como Fernanda Keller, que participa da competição pela 16ª vez. Tudo por causa das condições do mar, extremamente agitado até mesmo para o Havaí, mundialmente famoso por suas grandes ondas para a prática do surfe. "Muitos dos competidores, especialmente os que vão participar da prova pela primeira vez, se assustaram bastante com o mar bravo na terça, quarta e quinta-feira. Mas ficou mais calmo na sexta-feira e a expectativa é que melhore ainda mais até a largada", diz a triatleta.Segundo Fernanda, o mar agitado não seria motivo suficiente para adiar a largada, mas tornaria a disputa dos 3,8 quilômetros de natação extremamente difícil. Os beneficiados seriam os especialistas na parte aquática do Ironman, que também inclui 180 km de ciclismo e 42,2 km de corrida.A brasileira acredita ser a mulher com o maior número de participações na categoria profissional do Ironman do Havaí. Em 2002, aos 39 anos, entra na disputa ainda com chances de subir ao pódio. No ano passado, Fernanda terminou em sexto lugar, mas já tem seis terceiras colocações no currículo - 1994, 95, 97, 98, 99 e 2000. "É extremamente difícil apontar favoritos, porque sempre tem gente nova competindo e existem diversos fatores, como o clima, que podem influir no resultado", comenta a triatleta.Sua torcida é por um dia de mar calmo, sol forte e pouco vento na hora do ciclismo, as condições ideais para mostrar o resultado do trabalho realizado nos últimos quatro meses.Longevidade - Fernanda, patrocinada pela Nike e o Pão de Açúcar, garante que a idade não pesa na hora de competir, mesmo constatando que o Ironman vem passando por uma grande renovação. "Sinceramente, ainda não senti nada diferente em relação aos outros anos", garante. Para ela, a longevidade tem menos a ver com a idade do que com a condição física e os cuidados na preparação.Mesmo com tanta experiência, a brasileira diz que sempre há o que aprimorar a cada ano. "Tenho feito mais sessões de massagem porque percebi que ela acelera a recuperação após os treinos."Além de Fernanda, outros 18 brasileiros estão inscritos. O argentino Oscar Galindez, que mora e treina no Brasil, disputará seu primeiro Ironman. O triatleta conta com a orientação do técnico Marcelo Borges, o mesmo de Fernanda, para superar a inexperiência. "Não almejo colocações. Nem eu nem ninguém pode. É uma competição dura, de oito horas, muita coisa pode acontecer", observa Galindez. No ano passado os vencedores foram Tim De Boom (EUA) e Natacha Badmann (SUI).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.