Isinbayeva bate recorde outra vez

A russa Yelena Isinbayeva não fez nada além do que se esperava dela: ganhou a medalha de ouro do salto com vara no Mundial de Helsinque, com novo recorde mundial - 5,01 m. Após quatro dias de chuva na capital finlandesa, o sol apareceu o vento e o frio diminuiu e Isinbayeva saltou com céu azul para quebrar o 18º recorde mundial da prova na sua carreira. Encantou o público e levou o bônus de US$ 100 mil, oferecido pela Associação Internacional de Federações de Atletismo (IAAF) pelos recordes (mais os US$ 60 mil do ouro). Foi o primeiro título mundial da carreira da russa. Monika Pyrek, da Polônia, levou a medalha de prata (4,60 m) e Pavla Hamácková, da República Checa, a de bronze (4,50 m). Até mesmo a ex-recordista mundial da prova, Stacy Dragila, dos EUA, estava na arquibancada com sua máquina fotográfica. Isinbayeva primeiro assegurou o título, quando mais nenhuma outra saltadora na prova conseguiu ultrapassar a marca de 4,75 m. Aí pediu para que o sarrafo fosse colocado na altura de 5,01 m, cerca de 2 horas e meia após o início da prova, para tentar o recorde. Errou o salto na primeira tentativa. Mas na segunda, sob o ritmo das palmas de todo o público que lotou o Estádio Olímpico, saltou para o recorde mundial. Isinbayeva já chegou no patamar do ucraniano Serguei Bubka, que nos anos 90 quebrou 35 vezes o recorde do salto com vara. "Essa noite, o recorde mundial parecia ser extremamente alto. Foi realmente difícil saltar aquela altura. Mas eu tenho certeza que ainda farei 5,02 m nessa temporada", disse Isinbayeva, de 23 anos. A polonesa Monika Pyrek disse que "Isinbayeva é tecnicamente perfeita, como Sergey Bubka" e que não poderia mesmo vencer a rival. Os Estados Unidos dominaram todas as provas de velocidade, mas não conseguiram classificar o revezamento 4 x 100 m para a final por um acidente - o bastão escorregou das mãos de Leonard Scott. Justin Gatlin venceu os 100 m e os 200 m (prova que teve quatro americanos nas primeiras posições), mas não poderá conquistar a tríplice coroa com o revezamento. Neste sábado, Allyson Felix ganhou os 200 m (22s16) feminino. Os 100 m já tinham sido vencidos por Lauryn Williams (10s93). Nos 400 m, o título mundial ficou com o norte-americano Jeremy Wariner, com 43s93.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.