Isinbayeva tem um dia de atleta amadora

A bicampeã olímpica falha nas três tentativas de salto de 4,70 metros diante de seu público, no Principado de Mônaco

AMANDA ROMANELLI , ENVIADA ESPECIAL / MÔNACO, O Estado de S.Paulo

21 de julho de 2012 | 03h05

Por todos os títulos e recordes que conquistou, Yelena Isinbayeva é a estrela em qualquer competição que participa. Em Mônaco, contudo, a russa ganha brilho extra. Moradora do principado, a recordista mundial do salto com vara escolheu a dedo sua última competição antes da Olimpíada de Londres e decidiu saltar em casa. Sua foto estampava os cartazes que promoviam a etapa da Liga Diamante, um dos torneios mais importantes do calendário internacional. Mas o enredo, que sugeria uma boa apresentação no Stade Louis II, não se concretizou. Isinbayeva nem sequer conseguiu completar um salto.

A frustração foi grande. Yelena começou na competição quando a altura era de 4,70 m - a disputa, para atletas com metas mais modestas, iniciou-se com o sarrafo a 4,35 m. Foi para suas três tentativas e errou. No último dos saltos, demonstrou certa descoordenação, quase chutando o sarrafo. Uma cena impressionante para um público acostumado a ter visto, no passado, ataques perfeitos.

Yelena deixou a área de competição com um boné escondendo o rosto. Na área de entrevistas à imprensa, ainda dentro da pista, recebeu alguns acenos de apoio e palavras de incentivo de pessoas da organização. Era apenas a segunda competição da russa, única mulher do mundo a saltar acima dos 5 metros, em 2012. Na primeira, no dia 10, não conseguiu passar dos 4,75 m.

"Eu realmente não sei o que aconteceu", disse Yelena mais de uma vez, repetindo a frase que já utilizou nas derrotas do Mundial de Daegu, em 2011 (quando a brasileira Fabiana Murer ficou com o título), e Berlim, em 2009 - nessa, a mais chocante, a russa não conseguiu completar nenhum salto, da mesma maneira que ocorreu ontem.

Yelena diz que não sabe se a derrota pode afetar a sua confiança. "Eu estava pronta para saltar esta noite, eu estava pronta, física e psicologicamente. Cometi erros técnicos e meus saltos tomaram um caminho errado. Preciso me reunir com o meu técnico, encontrar esses erros, e consertá-los."

Campeã olímpica em Atenas-2004 e Pequim-2008, Yelena explica que vinha de um período de bons treinos e, por isso, não considerou a hipótese de começar a saltar com alturas mais baixas. "Não me arrependi de ter entrado na prova naquele momento (com o sarrafo já a 4,70 m). Mas é que claro que estou um pouco preocupada. Sou um ser humano."

A vencedora da disputa foi a alemã Silke Spiegelburg, que saltou 4,82 m, recorde de seu país. Um altura que a russa, dona do recorde mundial de 5,06 m, disse não ser um grande problema. "Vou treinar forte, para chegar pronta à Olimpíada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.