AP
AP

Isinbayeva vai comandar órgão de supervisão da agência antidoping russa

Bicampeã olímpica do salto com vara aumenta sua participação nos bastidores do esporte após anunciar aposentadoria

Estadão Conteúdo

07 de dezembro de 2016 | 13h47

Aposentada como competidora depois de ficar fora dos Jogos Olímpicos do Rio, Yelena Isinbayeva vem aumentando sua participação nos bastidores do esporte. Nesta quinta-feira, ela foi nomeada para chefiar o novo comitê de supervisão da Agência Antidoping da Rússia, a Rusada, como é conhecida na sigla em russo.

Em comunicado nesta quarta-feira, a Rusada disse que Isinbayeva vai liderar um grupo de 10 pessoas, que inclui executivos do esporte, acadêmicos e oficias do ministério do Esporte da Rússia.

O anúncio acontece a dois dias da eleição da Federação Russa de Atletismo (ARAF, na sigla em russo). Ela é candidata à presidência e favorita a ficar com o cargo, apesar da presença de Dmitri Shlyakhtin, que comanda a entidade desde janeiro, quando Vadim Zelichenok foi afastado, do secretário-geral da ARAF Mikhail Butov e do campeão olímpico de 2008 no salto em altura Andrei Silnov.

A ARAF segue suspensa pela Associação Internacional das Federações de Atletismo (IAAF), entidade que regula e organiza o atletismo no mundo. A punição foi aplicada há mais de um ano em novembro do ano passado, e não foi revogada nem por conta do Rio-2016. Por isso, a Rússia foi impedida de levar atletas para a Olimpíada no atletismo - 67 estavam convocados.

A própria Isinbayeva foi uma das prejudicadas por esse cenário. Ela voltou de um período sabático saltando 4,90m no Campeonato Russo, mas foi impedida de participar dos Jogos Olímpicos. Na competição, o ouro foi para a grega Ekateríni Stefanídi, que saltou 4,85m.

À época, Isinbayeva veio ao Rio para assistir às competições e fazer campanha em sua candidatura para a Comissão de Atletas do Comitê Olímpico Internacional (COI), para o qual acabou eleita pelos seus pares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.