Itália lança plano para conquistar torcida na Olimpíada de 2016

Primeiro passo do Comitê Olímpico Italiano será a realização da primeira edição da 'Corritália Brasile' no próximo domingo

Ronald Lincoln Jr., O Estado de S. Paulo

07 de agosto de 2014 | 20h01

A Itália se apressa em sua preparação para a Olimpíada do Rio a fim de conquistar o maior número possível de medalhas e de se aproximar da comunidade italiana residente no Brasil. O primeiro passo do Comitê Olímpico Italiano será a realização no domingo da primeira edição da "Corritália Brasile", uma corrida de 10 quilômetros que ocorrerá no Aterro do Flamengo, zona sul do Rio, aberta ao público e com o objetivo de agregar a comunidade italiana no País e os brasileiros.

A corrida terá como atração a presença do Stefano Baldini, ex-maratonista e campeão olímpico em 2004. "O objetivo final é que os atletas italianos tenham uma torcida muito quente na Olimpíada. Sei que não tão quente como a torcida para o Brasil, mas queremos quase isso", disse Christian Zovico, diretor técnico e científico da Federação de Atletismo Italiana (FIDAL), durante um evento de apresentação do projeto, realizado no consulado italiano no Rio, nesta quinta-feira.

Ao todo, sete atletas italianos - de diferentes modalidades - vieram ao Brasil para realizar um estágio pré-olímpico que começou no dia 31 de julho em São Paulo e termina no domingo, no Rio. O estágio conta com treinamentos e a disputa de pequenas competições, além da "Corritália Brasile".

Todas as atividades estão sendo acompanhadas por um médico e Zovico. A partir das informações coletadas por eles sobre o rendimento físico e fisiológico dos competidores, será traçada a programação a ser utilizada por toda a delegação da Itália para os Jogos de 2016.

A cidade de São Paulo será a base da Itália para os Jogos. A previsão é que a delegação do país chegue à capital paulista 10 dias antes do início da Olimpíada e passe por um período de treinamentos e adaptação antes das disputas no Rio.

"Será bom para o nosso projeto, a cidade de São Paulo tem cerca de seis milhões de pessoas com origem italiana. Preferimos São Paulo porque o Rio de Janeiro vai estar muito cheio e queremos evitar problemas", explicou Zovico.

STEFANO BALDINI
Há quase dez anos, o italiano Stefano Baldini conquistou uma medalha de ouro olímpica ao vencer a Maratona dos Jogos de Atenas, na corrida polêmica em que o brasileiro Vanderlei Cordeiro foi prejudicado por um manifestante que invadiu a pista quando ele liderava.

Nesta quinta-feira, durante a apresentação da "Corritália Brasile", Baldini relembrou a disputa que marcou o auge de sua carreira e elogiou Vanderlei.

"Foi uma corrida que nunca esquecerei. Lembro de cada metro. Não pude ver o acidente na hora, só depois. Mas ele foi muito corajoso e valente e a medalha de bronze que conquistou será marcada para sempre", afirmou.

O brasileiro e o italiano mantêm uma relação de amizade até hoje e puderam se encontrar novamente no ano passado quando ambos acompanhavam as seleções sub-18 de seus países em uma competição em Moscou. "Foi legal, conseguimos até tirar uma foto juntos", recordou Baldini.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio 2016ItáliaStefano Baldini

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.