Itália vence de virada, avança e confirma vaga do Brasil na semifinal

Azzurra mostra poder de reação, ignora 'olé' da torcida e supera Japão por 4 a 3

FELIPE ROSA MENDES, Agência Estado

19 de junho de 2013 | 21h08

SÃO PAULO - Em um grande jogo disputado na Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (região metropolitana do Recife), a

Enquanto a Itália tentava se acertar em campo, o Japão corria para o ataque. E chegou ao segundo gol em mais uma falha da defesa rival. Chiellini furou ao tentar cabeçada na área e a bola sobrou para Kagawa. O craque do time girou rápido e bateu no canto, aos 32 minutos. A torcida pernambucana já gritava "olé" em favor dos japoneses.

Foi só depois de levar o segundo gol que os italianos entraram no jogo. Os europeus passaram a valorizar a posse de bola no meio de campo e ameaçavam a defesa japonesa em lances pontuais. O gol acabou surgindo em lance de bola parada. Aos 40 minutos, Pirlo cobrou escanteio na área e De Rossi acertou a cabeça.

Mais motivada, a Itália esteve perto de buscar o empate antes do intervalo. Diante da assustada defesa japonesa, a equipe cresceu nos minutos finais. E, aos 46 minutos, carimbou a trave esquerda do goleiro Kawashima em chute rasteiro de Giaccherini.

Nem o intervalo e nem a chuva abateram o ímpeto italiano. Na volta para o segundo tempo, o Japão até tentou repetir o ritmo do início da partida, mas acabou indo do céu ao inferno em apenas sete minutos. Aos 4, Giaccherini avançou pela esquerda, entrou na área e cruzou rasteiro na área. Uchida se antecipou a Balotelli e mandou contra as próprias redes.

Na sequência, o árbitro anotou pênalti questionável em favor da Itália quando Giovinco deu chute despretensioso e a bola desviou de forma não intencional na mão de Hasebe. Balotelli foi para a cobrança e cravou a virada no placar: 3 a 2.

Mas a reviravolta na partida não desanimou o Japão. Apoiados pela torcida, os asiáticos devolveram a igualdade no marcador aos 23 minutos. Endo cobrou falta na área e Okazaki surgiu na primeira trave para vencer Buffon de cabeça.

Cada vez mais embalados, os japoneses incendiaram os últimos minutos da partida. Diante da empolgação das arquibancadas, o Japão passou a trocar passes no meio de campo, colocando os italianos na roda. Aos 36 minutos, acertaram a trave e o travessão na mesma jogada. A Itália aceitava a pressão declarada do rival para reagir em contra-ataque.

O bote veio aos 40 minutos em investida fatal de Marchisio pela direita. Pegando a zaga japonesa de surpresa, ele entrou na área e cruzou rasteiro para Giovinco só empurrar para as redes. O Japão ainda tentava reagir na base do desespero e, após carimbar o travessão novamente, mandou para o gol aos 42. Mas o árbitro anulou o lance ao marcar impedimento de Yoshida, acabando com as chances de classificação do time asiático.

ITÁLIA 4 x 3 JAPÃO

ITÁLIA - Buffon; Maggio (Abate), Barzagli, Chiellini e De Sciglio; De Rossi, Pirlo, Montolivo, Aquilani (Giovinco) e Giaccherini (Marchisio); Balotelli. Técnico: Cesare Prandelli.

JAPÃO - Kawashima; Uchida (Sakai), Konno, Yoshida e Nagatomo; Hasebe (Nakamura), Endo, Honda, Kagawa; Okazaki e Maeda (Havenaar). Técnico: Alberto Zaccheroni.

GOLS - Honda (pênalti), aos 20, Kagawa, aos 32, e De Rossi, aos 40 minutos do primeiro tempo; Uchida (contra), aos 4, Balotelli (pênalti), aos 7, e Okazaki, aos 23, e Giovinco, aos 40 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Buffon e De Rossi (Itália); Hasebe e Sakai (Japão).

ÁRBITRO - Diego Abal (Fifa/Argentina).

RENDA - Não disponível.

PÚBLICO - 40.489 pagantes.

LOCAL - Arena Pernambuco, em São Lourenço da Mata (PE).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.