Eduardo Nicolau/AE
Eduardo Nicolau/AE

Já classificado, Brasil encara a Nova Zelândia no futebol masculino

Mano aproveita jogo desta quarta-feira para poupar titulares e fazer experiências

Mateus Silva Alves, O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2012 | 22h15

NEWCASTLE - A seleção brasileira chegou à Inglaterra pressionada e pressionada continuará até o fim dos Jogos de Londres. O time sabe que tem a obrigação de ganhar a medalha de ouro e Mano Menezes sabe que seu futuro no comando depende disso.

Pelo menos Mano e sua turma terão um “refresco” nesta quarta-feira, quando enfrentarão a Nova Zelândia, às 10h30 (horário de Brasília), em um jogo praticamente amistoso. Já classificado para as quartas de final, o Brasil só precisa de um empate para garantir a primeira colocação do Grupo C. E o time pode terminar em primeiro mesmo em caso de uma improvável derrota, bastando para isso que a Bielorrússia não vença o Egito, no mesmo horário, em Glasgow.

Como a partida vale pouco para o Brasil, Mano decidiu fazer mudanças. A ideia é poupar alguns titulares e dar ritmo de jogo a um ou outro reserva. Sua prioridade era colocar Paulo Henrique Ganso em campo, já que o técnico considera que o meia não está em sua melhor forma física e precisa jogar para recuperá-la. Ganso, no entanto, queixou-se de dores musculares ontem, não treinou e talvez não tenha condições de estar em campo.

Marcelo e Hulk serão poupados. O lateral por motivos físicos e o atacante por já ter um cartão amarelo - o treinador não quer correr o risco de ver Hulk levar mais um amarelo hoje e ficar fora das quartas de final. Alex Sandro será o substituto de Marcelo e Lucas provavelmente vai jogar no lugar de Hulk.

Bom teste. A seleção não estará com sua força máxima, mas ainda assim Mano acredita que a partida contra a Nova Zelândia pode ser um bom teste para o que o Brasil enfrentará nas fases eliminatórias da Olimpíada.

“Talvez nós não voltemos a enfrentar um time com uma linha de cinco na defesa, como fez a Bielorrússia, mas com duas linhas de quatro, com certeza”, comentou o treinador. “O Japão jogou assim contra a Espanha (na primeira rodada) e atuou muito bem, fechando-se e saindo rapidamente para o ataque.”

Na visão de Mano, a Nova Zelândia tem o perfil que o Brasil vai enfrentar no mata-mata dos Jogos Olímpicos. “A Nova Zelândia está entre o Egito e a Bielorrússia. Eles não são tão agressivos quanto o Egito, nem tão defensivos quanto a Bielorrússia. É uma equipe técnica, que trabalha bem a bola.”

O time da Oceania tem chances de se classificar, mas para isso, terá de vencer o Brasil e torcer para a Bielorrússia não ganhar do Egito. “Se fizermos o jogo de nossas vidas e o Brasil não jogar bem, temos uma chance”, disse o otimista técnico neozelandês Neil Emblen.

ESCALAÇÕES

BRASIL - Neto; Rafael, Thiago Silva, Juan e Alex Sandro, Sandro, Rômulo, Lucas e Oscar (Ganso); Neymar e Alexandre Pato. Técnico: Mano Menezes

N. ZELÂNDIA - O’Keeffe; Payne, Nelsen, Smith e Hogg; McGlinchey, Thomas, Barbarouses e Rojas; Wood e Smeltz. Técnico: Neil Emblen

Árbitro: Bakary Papa Gassama (Gâmbia)

Local: Saint James Park, em Newcastle

Horário: 10h30 (horário de Brasília)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.