Arquivo/AE
Arquivo/AE

Jacques Rogge prevê disputa apertada por Jogos de 2016

A sede da Olimpíada será conhecida no próximo dia 2 de outubro, após eleição realizada na Dinamarca

Agencia Estado

10 de setembro de 2009 | 17h23

O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Jacques Rogge, disse nesta quinta-feira que espera uma disputa apertada, por "poucos votos", na eleição para a sede dos Jogos de 2016. Para o dirigente, não há favorito entre Rio de Janeiro, Tóquio, Chicago e Madri, as quatro cidades candidatas à receber a Olimpíada.

Veja também:

linkSite especializado diz que Rio é favorito

especialRIO 2016 - Mais sobre a campanha pelos Jogos

especialOs prós e contras das candidatas aos Jogos 2016

"Eu realmente não vejo nenhum favorito. Acho que será uma disputa muito apertada. Acredito que a votação final será decidida por poucos votos", afirmou Rogge. "Todos os cenários são possíveis", completou. A sede da Olimpíada de 2016 será conhecida no dia 2 de outubro, após eleição realizada em Copenhague, na Dinamarca.

Rogge também comentou a possível ausência do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em Copenhague, no dia da eleição. Obama, que não confirmou presença na cerimônia, poderia fortalecer a campanha de Chicago, na opinião de especialistas.

"Não há obrigação em participar. Não há nem mesmo uma tradição de contar com os dirigentes dos países envolvidos na eleição", explicou Rogge. "Tenho certeza que se um chefe de estado não comparecer, haverá alguma apresentação em vídeo do dirigente, alguma carta ou nota divulgada", argumentou.

Ao contrário de Obama, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o rei Juan Carlos, da Espanha, já confirmaram presença na Dinamarca para fazer lobby em benefício de Rio de Janeiro e Madri, respectivamente. O primeiro-ministro do Japão, Yukio Hatoyama, também foi convidado a comparecer ao evento.

Questionado sobre a pressão dos chefes de estado, Rogge disse aprovar o lobby no dia de eleição. "Se eles quiserem vir, será uma honra ao COI. É absolutamente legítimo o fato de eles defenderem os seus países. Mas não estamos pedindo para eles comparecerem aqui. Serão bem-vindos, mas nós não consideramos isso a coisa mais importante do evento".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.