Jadel Gregório lamenta prata e má atuação em São Paulo

Jadel Gregório chorou muito na saída da pista após ficar com a medalha de prata do salto triplo no Troféu Brasil de Atletismo. ?Queria muito saltar bem em São Paulo?, explicou. Aliás, o atleta Enumerou os motivos que o levaram a tanta emoção: seus familiares, que sempre o apóiam, estavam no estádio; a mãe Neusa veio de Marília para conhecer o neto, Jade, de cinco meses, que nasceu na Inglaterra; teve problemas no embarque (deixou as malas e até o carrinho do bebê no aeroporto) para o Brasil; machucou o músculo posterior da coxa direita dia 17, em Atenas, na Copa do Mundo; e teve uma temporada duríssima, tendo de se adaptar a uma rotina de treino em outro país.?Tive de me adaptar a muitas coisas. Estou me adaptando ainda, ao frio, a comida, a saudades da família, ao nascimento do meu filho. Foi um ano duríssimo.? Disse que seus sogros, libaneses, sofreram muito com a guerra, mas que conseguiram estar na Inglaterra para apoiar a mulher Samara no nascimento de seu filho. Mas disse que pretende continuar treinando na Inglaterra.E passou por todas as dificuldades na vida pessoal competindo, com muita intensidade, sem tempo para se curar totalmente das lesões. Fez 24 provas internacionais na temporada - citou como os dois melhores resultados os saltos de 17,56 m, ambos com medalhas de prata, que fez na Golden League de Lausane e no Mundial Indoor, e a marca de 17,41 m, obtida na Copa do Mundo. ?Foi aí que machuquei a coxa, tentei o tratamento, queria estar bem para saltar aqui. Insisti, todo mundo me apoiou, mas consegui fazer um salto só.? Está fechando a temporada em segundo no ranking, mas acha ?estranho? e desconfia. Fez mais GPs que o sueco Christian Olsson, campeão mundial e olímpico, e pelo ranking de pontos esperava ver o seu nome em primeiro. ?Pessoas do terceiro mundo, acabam sendo passadas para trás....?, reclamou. Para 2007, Jadel deve mudar o planejamento. Fica no Brasil para se tratar, provavelmente até dezembro. Não vai disputar a temporada indoor no começo do ano e direcionará seu foco para as provas de pista ao ar livre. Deve correr no início do ano, até maio, os Grand Prix de Belém, Rio e Fortaleza, fará alguns meetings da Golden League, os principais do circuito internacional, o Pan-Americano do Rio, de 13 a 29 de julho, e o Mundial de Osaka, no Japão, de 25 de agosto a 2 de setembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.