Jadel procura um técnico fora do Brasil

O triplista Jadel Gregório terá um técnico estrangeiro em 2006. Seu clube, a BM&F Atletismo, aguarda a decisão de Jadel, que ficou na Europa depois do Mundial de Helsinque, em agosto ? Jadel competiu sem treinador e terminou em 6º. ?Não queremos o Jadel longe do Brasil, mas é pior não ter técnico. Ele vai ter de passar mais tempo na Europa, além do que fica para competir?, observa Sérgio Coutinho Nogueira, diretor da BM&F Atletismo. Nesta sexta-feira, Jadel Gregório ainda compete sem técnico em Mônaco, às 15 horas (horário de Brasília), na Final Mundial do Atletismo, que reúne os oito melhores do ranking em cada prova. André Domingos corre os 200 m, às 16 horas. A terceira brasileira no torneio, Lucimar de Moura, corre os 200 m, sábado. O dirigente não sabe se a falta de técnico prejudicou Jadel no Mundial. Tem a impressão de que ?a cabeça atrapalhou mais que tudo?, já incluída a contratura na coxa na final. Jadel, entre os favoritos ao ouro, foi 6º. O campeão foi Walter Davis, dos EUA, várias vezes superado pelo brasileiro na temporada. Em 2004, Jadel foi aos Jogos de Atenas com o técnico Nélio Moura. Também entre os favoritos, terminou em 5º. Depois de Atenas, o triplista passou a treinar com Aristides Junqueira, o Tide, que abandonou em junho. Agora, chegou à conclusão de que sem técnico não pode ficar. ?Ele está procurando. Quando voltar ao País, vamos estudar os nomes que apresentar?, diz Coutinho Nogueira, acrescentando que a BM&F Atletismo está disposta a pagar o técnico. Entre as opções estão o técnico que trabalhou com o já aposentado recordista mundial Jonathan Edwards e o que treina a jamaicana Trecia Smith.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.