Jadel vai voltar a treinar no Brasil

Triplista dividirá seu tempo entre São Paulo e Gateshead, na Inglaterra

Heleni Felippe, O Estadao de S.Paulo

14 de março de 2008 | 00h00

Jadel Gregório está mesmo de mudança para o Pinheiros, como informou ontem o Estado. O triplista de 27 anos rompeu com o Clube de Atletismo BM&F após cinco anos de contrato e deve, a partir de agora, passar mais tempo no Brasil. O atleta, que vive em Gateshead, na Inglaterra, ficará seis meses no exterior e a outra metade do ano no País. Jadel vinha ao Brasil uma ou duas vezes ao ano, para provas como o Grand Prix de Belém e o Troféu Brasil. Agora deve ser mais presente no clube.O Pinheiros quer Jadel como ''espelho'' na formação de atletas. ''Estamos com as tratativas bem avançadas. Será um orgulho ter o Jadel. Queremos atrair sócios e atletas para o atletismo'', disse Antonio Moreno Neto, presidente do clube, que já tem Gladson Barbosa, nos 3.000 m com obstáculos, Maria Zeferina Baldaia, campeã da São Silvestre em 2001, e o maratonista José Teles de Souza. O Pinheiros teve João do Pulo, já morto, recordista mundial do triplo por dez anos.Mas os objetivos de Jadel para a temporada olímpica ainda são uma incógnita. Recordista sul-americano da prova (17,90 m), fechou 2007 como líder do ranking mundial. Nesse início de ano optou por não disputar as provas indoor. Ficou fora, até mesmo, do Mundial de Valência, na Espanha, entre os dias 7 e 9. Não há confirmação de que treinará com o inglês Peter Stanley para a Olimpíada de Pequim.Moreno Neto garante que o projeto do clube que preside não é uma repetição da desastrosa incursão do Vasco nos esportes olímpicos, em 1999/2000. A agremiação carioca reuniu a nata dos esportes, deu calotes e depois desmontou a equipe. O Pinheiros é o primeiro clube de São Paulo a aprovar projeto de formação (para atletas de 14 a 19 anos) dentro da Lei de Incentivo ao Esporte, de R$ 11,7 milhões, dinheiro que virá do imposto de renda devido por empresas (1%) e pessoas físicas (6%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.