'James Bond' leva Rainha Elisabeth II à cerimônia

Mais de 100 chefes de Estado vão à abertura, entre eles, a presidente Dilma Rousseff, que se reuniu com a rainha Elizabeth II no Palácio de Buckingham

JAMIL CHADE , ENVIADO ESPECIAL / LONDRES , O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2012 | 03h03

Reis, presidentes, princesas e a cúpula política mundial. Ontem, o estádio olímpico conseguiu o que até mesmo a ONU sofre para reunir: o encontro de mais de cem chefes-de-estado ou de governo, ávidos por serem vistos no maior evento do planeta. A presidente Dilma Rousseff, acompanhada por sua filha, foi uma das que participou do evento e foi recebidas pela rainha Elisabeth II no Palácio de Buckingham, onde os políticos se reuniram antes de serem escoltados até o Estádio Olímpico, num balé de limusines negras pelas ruas de Londres.

O transporte dos convidados mais que especiais se transformou em uma verdadeira operação de guerra, com o centro de Londres basicamente fechado para permitir que o comboio chegasse até a abertura sem nenhum tipo de problema .

Além de Dilma, a festa contou com a primeira dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, o primeiro-ministro francês, Jean-Marc Ayrault, o presidente italiano, Giorgio Napolitano, o russo Dmitry Medvedev, o alemão Joachim Gauck e dezenas de outros líderes de países tão díspares como Canadá e Armênia, Jamaica ou Austrália.

Para a rainha, o momento também era de tentativa de reafirmação da posição do Reino Unido como uma potência, mesmo em plena recessão. Ela lembrou aos demais chefes de estado que seu avô foi quem abriu os Jogos de 1908 em Londres, seu pai em 1948 e, ontem, ela o 30º Jogos Olímpicos. "Vocês vieram de todas as partes do mundo para testemunhar essa festa do esporte e espero que o evento seja memorável para todos", disse a monarca aos líderes, apontando como o evento estava unindo seu país.

Problemas. Mas a presença de tantos chefes de estado não ocorreu sem saias-justas. O presidente do Equador, Rafael Correa, apresentou um pedido formal ao Comitê Olímpico Internacional (COI) para entrar no estádio desfilando junto com os atletas de seu País. Foi barrado pela organização, com a entidade alegando que tal iniciativa não estava no protocolo do evento.

Grupos de direitos humanos ainda criticaram a decisão do Reino Unido de receber xeque do Bahrein, Nasser bin Hamad al-Khalifa, chefe do Comitê Olímpico nacional, filho do rei Hamad do Bahrein e acusado de um dos responsáveis pela tortura em seu país, inclusive de atletas que estão nos Jogos. O governo inglês havia garantido que nenhum violador de direitos humanos entraria no país para presenciar a Olimpíada. Ativistas chegaram a coletar mais de 10 mil assinaturas para impedir sua entrada, sem sucesso.

A Rainha Elizabeth chegou à cerimônia de abertura de forma espetacular. Primeiro, a monarca de 86 anos apareceu em seu primeiro papel no cinema com o ator Daniel Craig, intérprete de James Bond.

Em um curta-metragem que começa no Palácio de Buckingham, os dois são vistos entrando em um helicóptero que voa sobre Londres. Minutos depois a aeronave apareceu sobre o estádio e liberou "James Bond" e a "rainha", que saltaram de paraquedas em uma cena incrível.

Em seguida a Rainha verdadeira entrou no estádio e foi aplaudida por mais de 80 mil pessoas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.