Japão descarta mudar design do novo Estádio Nacional para a Olimpíada de 2020

O governo japonês garantiu nesta quarta-feira que vai manter o design escolhido anteriormente para o novo Estádio Nacional de Tóquio, que será peça central dos Jogos Olímpicos de 2020, na capital do país.

Estadão Conteúdo

24 de junho de 2015 | 10h37

O projeto da arquiteta iraquiana Zaha Hadid provocou fortes críticas de profissionais japoneses por ser muito grande e caro. Mas o governo avaliou que fazer uma mudança drástica na projeto levaria a um atraso na construção do estádio.

O Ministério dos Esportes do Japão e o Conselho Esportivo do Japão, que é o responsável pelo projeto, havia estimado o custo do estádio em cerca de US$ 1,3 bilhão (aproximadamente R$ 4 bilhões). Mas o valor do projeto está agora previsto em US$ 2 bilhões (R$ 6,2 bilhões).

Assim, os dois arcos enormes no topo do estádio, um recurso que os críticos tem responsabilizado pela elevação nos custos de construção, continuarão a fazer parte do projeto.

Apesar disso, os altos custos do estádio continuam sendo uma preocupação, tanto que o governo municipal discute com o governo federal sobre a forma como os valores investidos na obra serão compartilhados.

Para cortar custos, dirigentes propuseram atrasar a construção do teto retrátil e tornar temporários 15 mil dos 80 mil assentos previstos para o estádio. As obras devem começar em outubro, e o estádio deverá estar concluído a tempo para a Copa do Mundo de Rúgbi em 2019.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.