Japão mostra desdém com a força holandesa

Depois de surpreender Camarões na estreia, asiáticos falam em bater a poderosa do grupo para antecipar a classificação

Wilson Baldini Jr., enviado especial a Johannesburgo, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2010 | 00h00

A seleção japonesa desembarcou na África do Sul com a intenção de ficar com o segundo lugar no Grupo E, já que reconhece publicamente o favoritismo da Holanda. Após a vitória na estreia sobre Camarões, os comandados de Takeshi Okada confiam plenamente na classificação para as oitavas de final e acham que necessitam de uma vitória nos dois jogos que restam na primeira fase para obter a vaga. A primeira chance é exatamente contra os holandeses, hoje, às 13h30 (8h30 de Brasília), em Durban.

O meia Daisuke Matsui demonstra bem o espírito dos asiáticos para o jogo. "Não temos o que perder. Temos de arriscar para garantir nossa classificação o quanto antes. Temos de atacar, não podemos esperar a Holanda ter a iniciativa." O zagueiro brasileiro naturalizado japonês Marcus Túlio Tanaka confia no poder mental do grupo. "Se mantivermos a concentração e lutarmos os 90 minutos, temos chances de obter a vitória, apesar de a Holanda estar em nível técnico superior ao nosso", reconhece.

O fato de os japoneses estarem anunciando que vão atacar não assusta os holandeses. Pelo contrário. A "Laranja Mecânica" espera que, ao ser ofensivo, o Japão deixe espaços para os contra-ataques, que serão iniciados por Sneijder. Diferentemente do que ocorreu na estreia do Mundial diante da Dinamarca, que esperou a Holanda em seu campo.

Mas nada de soberba. Os holandeses pregam respeito. "O Japão tem um toque de bola muito bom e rápido. Sofremos muita pressão no amistoso que fizemos e só conseguimos a vitória no fim", relembrou o meia Sneijder, referindo-se à partida de setembro do ano passado, vencida por 3 a 0. Foi o único duelo entre as seleções na história.

Aliás, Sneijder ainda não terá a companhia de Robben. O meia, recuperando-se de lesão muscular, participou do treino de reconhecimento em Durban, mas só deve estrear contra Camarões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.