Japão nomeará ministro para fiscalizar Olimpíada de Tóquio

Japão nomeará ministro para fiscalizar Olimpíada de Tóquio

Função do novo cargo é planejar questões-chave relacionadas aos Jogos, em áreas como segurança, transporte e sedes

Estadão Conteúdo

28 de outubro de 2014 | 10h01

O Japão irá nomear um novo ministro no gabinete do seu governo com o objetivo de supervisionar de forma eficiente a preparação para a Olimpíada de 2020, que será em Tóquio. A informação foi confirmada nesta terça-feira pelo ministro da Educação, Cultura, Esporte, Ciência e Tecnologia do país, Hakubun Shimomura.

O governo japonês deverá aprovar um projeto de lei que permitirá a criação de novo cargo ministerial, cujo escolhido para ocupá-lo será encarregado de fiscalizar diversos aspectos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2020. No caso, o novo ministro será responsável por planejar questões-chave relacionadas ao evento, em áreas como segurança, transporte e sedes da competição.

Atualmente, a supervisão da organização da Olimpíada na capital japonesa está sob a responsabilidade do ministério comandado por Shimomura. Com menos de seis anos para o início do grande evento, há uma crescente necessidade de se intensificar a coordenação dos vários ministérios e órgãos envolvidos no evento. E, para cumprir essa meta com êxito, Shimomura destacou que é preciso nomear um novo ministro que poderá se dedicar de forma especial a esta preparação.

Se o parlamento japonês aprovar este projeto de lei, o país passaria a contar com 19 ministros, pois o governo local hoje conta com 18. O primeiro-ministro Shinzo Abe deverá apontar o novo membro do governo até o final deste ano.

O Japão irá abrigar os Jogos de 2020 quatro anos após o Rio ser palco da primeira Olimpíada a ser realizada no Brasil, em 2016, dois anos após o País ter abrigado pela segunda vez em sua história uma Copa do Mundo, ocorrida entre 12 de junho e 13 de julho de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.