Japão põe fé em Rikarudo

Zico é um dos maiores responsáveis pela evolução do Japão no futebol de campo. O que poucos sabem é que foi dele a idéia de também desenvolver o futsal do país oriental. Para isto, levou para lá o técnico brasileiro Sérgio Sapo, em 2003. A tarefa de comandar os japoneses em seu segundo Mundial de Futsal pertence ao campeão mundial pelo Brasil, como jogador, em 1992.Sapo sabe que será difícil vencer os brasileiros na estréia. O Japão nunca conseguiu tal feito. "Antes de vencermos a Copa da Ásia, em 2006, fizemos cinco jogos contra a seleção brasileira", lembra o treinador. "Num deles perdemos por um gol só. A nossa marcação melhorou muito", comenta, esperançoso em avançar à segunda fase.Para conseguir o objetivo, a esperança de Sapo é Rikarudo Higa - não por acaso, outro brasileiro. Sansei, seu nome de batismo é Ricardo, mas mudou por causa da naturalização.O ala foi para o Japão atrás de espaço no esporte que ama, o futsal. "Financeiramente vale a pena", explica. O complicado, admite ele, é enfrentar a seleção do País natal em torneios oficiais. "Quando toca o hino a gente lembra da infância, vêm à cabeça imagens da família", diz. "Mas, na hora em que a bola rola, a gente esquece tudo isso."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.