Japão vê o Mundial da estrela solitária

O Manchester United, sem rivais de peso, é o grande favorito ao título da competição, que começa hoje em Tóquio com um jogo entre neozelandeses e australianos

, O Estadao de S.Paulo

11 de dezembro de 2008 | 00h00

A quinta edição do Campeonato Mundial de Clubes da Fifa começa hoje, no Japão, com a sensação de uma batalha entre Davi e Golias. Contra equipes sem grande expressão, o time de craques do Manchester United que desembarcará na próxima semana não deverá ter adversários à altura. Para os japoneses, a maior atração é ver de perto as jogadas do português Cristiano Ronaldo, favorito absoluto ao prêmio de melhor do mundo em 2008 na eleição da Fifa. O pontapé inicial será dado no Estádio Nacional de Tóquio por Adelaide United, da Austrália, e Waitakere United, da Nova Zelândia, hoje, às 8h45, de Brasília, por uma vaga nas quartas-de-final.Até mesmo a tradicional disputa entre sul-americanos e europeus na final do torneio intercontinental está ameaçada. A fragilidade da equipe equatoriana LDU, que bateu o Fluminense na final da Taça Libertadores, não permite apontar quem será o principal adversário do Manchester. Antes da LDU, a maior zebra dos últimos anos havia sido a participação do Once Caldas, da Colômbia, que perdeu para o Porto no Mundial de 2004. A esperança dos "pequenos" é de que o Manchester chegue desgastado para a estréia, na próxima quinta-feira. Antes de viajar para o Japão, o time de Alex Ferguson entra em campo no domingo, pelo Campeonato Inglês. O Manchester United é o único clube inglês que possui o título intercontinental. Do time que bateu o Palmeiras, em 1999, apenas três - Gary Neville, Paul Scholes e Ryan Giggs - continuam no clube. "Somos a única equipe britânica que já ganhou esse título e, para mim, é uma das maiores conquistas do clube", afirmou Ferguson. O time estréia apenas nas semifinais.Apesar de as equipes européias chegarem ao Japão com os principais craques, os times brasileiros mantêm hegemonia no Mundial, criado pela Fifa em 2000. Na primeira edição, o Corinthians bateu o Vasco na final, no Maracanã. As duas edições seguintes, disputadas no Japão, também foram vencidas por equipes brasileiras. Em 2005, o são-paulino Mineiro fez o gol do título sobre o Liverpool, de Gerrard. No ano seguinte, Adriano Gabiru marcou o gol da vitória do Internacional sobre o Barcelona, com Ronaldinho Gaúcho em campo. O atual campeão, Milan, foi o primeiro europeu a vencer o torneio no novo formato. Com grande atuação de Kaká, não deu chances ao Boca Juniors no ano passado e ganhou por 4 a 2. O brasileiro marcou um gol e mostrou por que foi o melhor do mundo em 2007 - prêmio recebido no dia seguinte. Desta vez, Cristiano Ronaldo não quer perder a chance de encerrar o ano com uma grande apresentação. É sua oportunidade de não deixar dúvidas sobre quem merece o maior prêmio individual da Fifa, que será entregue no dia 12 de janeiro, em Zurique.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.